RTP3 e RTP Memória na TDT são um "salto estrutural"

As emissões da RTP3 e da RTP Memória na televisão digital terrestre (TDT) arrancam às 00:00 horas de 01 de dezembro, um momento considerado "histórico" pelo presidente da RTP, que salientou tratar-se de um "salto estrutural".

© LUSA
País Presidente da RTP

"A nossa obrigação é levar todos os conteúdos da RTP a todas as pessoas", afirmou o presidente do Conselho de Administração da RTP, Gonçalo Reis, que disse que o alargamento da oferta dos canais públicos na TDT representam "um momento histórico" e são "um salto estrutural".

PUB

Questionado sobre as negociações com o operador Meo (PT Portugal/Altice), que gere a rede da TDT, sobre o valor que a RTP vai pagar por ter mais dois canais em sinal aberto, Gonçalo Reis afirmou: "Estamos numa zona de conforto".

O gestor explicou que o "custo unitário é inferior ao anterior" e isso tanto vai "beneficiar a RTP, como também os operadores privados", ou seja, o setor.

Com mais dois canais na TDT, a estação pública "transforma-se num operador com oferta mais rica", salientou o gestor.

Gonçalo Reis sublinhou que a oferta da RTP3 e da RTP Memória em sinal aberto, aliada ao anúncio da disponibilização dos arquivos da RTP no 'online' demonstra que "há uma agenda de inclusão".

"São duas iniciativas com impacto estrutural", concluiu.

A partir das 00:00 de 01 de dezembro, a RTP3 e a RTP Memória arrancam na TDT sem publicidade, sendo esta substituída por espaços de promoção e divulgação cultural. No cabo, os canais mantêm a publicidade.

Atualmente, a TDT disponibiliza a RTP1, RTP2, SIC, TVI e canal Parlamento na TDT.

Está ainda previsto que sejam atribuídas licenças para dois canais de operadores privados na televisão digital terrestre, mas sem data definida.

 

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS