Parlamento lamenta morte de "grande português" e aprova voto de pesar

O parlamento aprovou hoje por unanimidade um voto de pesar pela morte do antigo ministro e conselheiro de Estado Alfredo Bruto da Costa, lamentando a morte de um "grande português".

© Global Imagens
País Óbito/Bruto da Costa

O texto foi apresentado por todos os partidos com assento parlamentar e evoca a memória de um "homem de convicções profundas" e um "político rigoroso e empenhado", para além de tecer elogios a Bruto da Costa como "cidadão".

PUB

"Com o seu falecimento Portugal perde um dos principais rostos à pobreza e exclusão", assinala o texto, recordando o antigo ministro, falecido no passado dia 11 de novembro.

Alfredo Bruto da Costa foi ministro dos Assuntos Sociais no Governo chefiado por Maria de Lurdes Pintassilgo (1979), provedor da Misericórdia de Lisboa e, entre 2003 e 2009, presidente do Conselho Económico e Social (CES), tendo ainda presidido à Comissão Nacional de Justiça e Paz.

O professor universitário esteve também na primeira linha dos "Estados Gerais" do PS antes das eleições legislativas de 1995, colaborando com o capítulo do programa dedicado ao combate à pobreza e criação do rendimento mínimo garantido.

Em setembro de 2014 tomou posse como conselheiro de Estado, por designação da Assembleia da República, em substituição de António José Seguro, que renunciou ao lugar no órgão político de consulta do Presidente da República depois de abandonar o cargo de secretário-geral do PS.

Alfredo Bruto da Costa permaneceu no lugar de conselheiro de Estado até janeiro deste ano.

 

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS