Trinta anos, três visitas papais a Fátima. Esta é a vez de Francisco

Três visitas papais a Fátima marcaram a história do concelho de Ourém nos últimos 30 anos, aprofundando a projeção internacional daquele que é o maior destino turístico religioso em Portugal.

© Reuters
País Religião

João Paulo II visitou Fátima por duas vezes nas últimas três décadas: depois da primeira visita em 1982, regressou em 1991 e novamente em 2000.

PUB

Em 2010, um outro papa esteve em Fátima: Bento XVI foi o terceiro sumo pontífice a visitar o santuário mariano (antes, em 1967, também Paulo VI passara pela Cova da Iria).

Para Carlos Cabecinhas, foram "muitos e significativos os acontecimentos que marcaram a vida do Santuário de Fátima nos últimos 30 anos"29, mas o reitor do Santuário reconhece que as visitas papais merecem grande destaque.

"Foram visitas intensas, como são sempre as visitas papais", sublinha, destacando a terceira vez que João Paulo II pisou Fátima, "em maio de 2000, para a beatificação dos dois mais jovens videntes, Francisco e Jacinta Marto".

"Nessa mesma ocasião foi dado a conhecer o conteúdo da terceira parte do Segredo de Fátima, que tanta especulação tinha criado ao longo dos anos", recorda Carlos Cabecinhas.

Fátima marcou para sempre João Paulo II, que ficou conhecido como "Papa de Fátima", atribuindo a Nossa Senhora de Fátima a recuperação de um atentado que sofreu a 13 de maio de 1981, no Vaticano.

A bala que o atingiu no abdómen encontra-se na imagem de Nossa Senhora de Fátima que está na Cova da Iria e João Paulo II, como forma de agradecimento pelo restabelecimento, visitou Fátima um ano depois, sendo alvo de novo ataque, pelo ex-sacerdote espanhol Juan Khron. Escapou ileso, o que atribuiu também à ação divina de Maria, reforçando ainda mais a sua ligação a Fátima, confirmada nas duas visitas posteriores.

Para o presidente da Associação Empresarial Ourém--Fátima (ACISO), as visitas papais "foram decisivas para a divulgação mundial da Mensagem de Fátima, para a promoção desta referência internacional enquanto destino de peregrinação e para a confirmação de Portugal enquanto destino turístico diversificado e de forte atratividade".

Domingos Neves realça que, devido à atenção que os papas lhe têm prestado, "Fátima é hoje mais conhecida, em muitos pontos do mundo, do que a referência Portugal".

Lembrando que são poucos os locais mundiais de culto que usufruíram de tantas visitas papais, o responsável da ACISO acredita que isso contribui para que Fátima seja "o mais visitado santuário mariano da Europa, recebendo anualmente cerca de 6,5 milhões de peregrinos".

O dirigente da associação empresarial nota que, mais importante que os impactos comerciais diretos, as visitas de papas a Fátima "fomentam o aumento do número de visitantes nos anos seguintes", o que tem propiciado a "melhoria global do volume de negócios, a quebra crescente da sazonalidade e o investimento em novos espaços comerciais e hoteleiros e serviços complementares de apoio", que se refletem no crescimento do emprego e melhoria da qualidade de vida.

"Acreditamos que este movimento será imparável, apesar de alguma preocupação sobre o impacto pós-2017 [ano do centenário das aparições], que admitimos não estar devidamente analisado", refere Domingos Neves.

Sobre a vinda do sumo pontífice a Portugal em 2017, o presidente da ACISO deseja que seja "um profundo e inesquecível momento de oração, pedindo a Nossa Senhora, através da voz do papa Francisco, a paz para o mundo conturbado em que se vive".

"Que saibamos receber bem todos aqueles que nos dão a honra de nos visitar, com competência, disponibilidade e sentido solidário. Para a ACISO e para os empresários que representa, tudo o resto são meros trocos", garante o presidente da associação.

A Câmara de Ourém, que tem sido parceira destas receções, tem investido muito em Fátima e no concelho e, por exemplo, na visita do papa Bento XVI em 2010 investiu 500 mil euros diretos em diversas infraestruturas.

 

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS