Rei salienta "vocação comum" para "papel construtivo e positivo" no mundo

O rei de Espanha apontou a relação "especial e intensa" que une o seu país e Portugal, salientando a "vocação comum" para exercerem um papel "construtivo e positivo" em assuntos de "impacto global".

© Global Imagens
País Visita Oficial

Em Guimarães, a discursar no início de um banquete oferecido pelo Presidente da República no Paço dos Duques de Bragança, Filipe VI destacou "a esperança" com que Portugal e Espanha "olham juntos o futuro", lembrando o caminho feito em conjunto na integração europeia e o "impulso conjunto" na construção de uma comunidade Ibero-americana.

PUB

A discursar depois de Marcelo Rebelo de Sousa, o monarca espanhol lembrou a eleição do ex-primeiro-ministro português António Guterres como secretário-geral das Nações Unidas, destacando que aquele é o "primeiro peninsular" a assumir uma "responsabilidade mais universal" numa instituição.

"Nos atos de hoje e dos próximos dias concretiza-se a relação especial e intensa entre dois países e duas sociedades que se respeitam, se gostam e que olham juntos o futuro com esperança", afirmou Filipe VI.

O monarca lembrou a presença do casal real na tomada de posse de Marcelo Rebelo de Sousa como Presidente e a visita deste a Madrid, momentos que considerou que "mostram o calor, proximidade e frequência" da relação que "sempre" caracterizou as relações dos chefes de Estado de ambos os países.

"Juntos, há quase 30 anos, começamos o processo de integração europeia, essa Europa que tanto nos tem dado e para a qual tanto temos contribuído", disse, num discurso, que começou e terminou em português.

"Também juntos impulsionamos a Comunidade ibero-americana, em 1991, com os países americanos nossos irmãos. Há apenas algumas semanas, aquando da XXV Cimeira Ibero-americana em Cartagena das Índias, vimos a vitalidade e o enorme potencial que tem a nosso vocação comum e desejo de continuar a desempenhar um papel constritivo e positivo, fiel À nossa história e cultura e de crescente relevância para a comunidade internacional e para a concertação nos grandes assuntos de impacto global", explanou.

A eleição de António Guterres para secretário-geral da ONU mereceu também destaque por parte do rei de Espanha: "A convicção com que Portugal e Espanha militam no campo do multilateralismo evidenciou, permitam-me acrescentar e sem esconder a nossa alegria por isso, na sabia eleição de António Guterres como secretário-geral das Nações Unidas", declarou.

Filipe VI, que lembrou a "agenda cheia" desta visita a Portugal, citou ainda Gregorio Maranon para ilustrar "o vigor" das relações entre Portugal e Espanha, que se devem guiar pelo otimismo, segundo o monarca.

"O otimismo gera sorte e o pessimismo gera adversidade", citou.

O rei espanhol terminou a sua intervenção com palavras dirigidas a Marcelo Rebelo de Sousa.

"Permita-me agora um brinde e que convide todos a brindar pela sua sorte pessoal e pelos maiores êxitos no seu mandato, pelo bem de Portugal", ergueu o copo e brindou.

 

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS