Governo promove em Moçambique partilha de conhecimento em português

A secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal termina hoje uma visita de três dias a Moçambique, onde promoveu o acesso aberto a conteúdos científicos entre os países de língua portuguesa através de plataformas digitais.

© EPA
País Visita

PUB

"Um dos motivos da minha visita tem a ver com o trabalho que está a ser feito mais recentemente, ligando todos os países de língua portuguesa em torno de repositórios científicos digitais", disse à Lusa em Maputo Maria Fernanda Rollo, salientando que, cada vez mais, as possibilidades de utilização e reutilização do conhecimento por via de meios tecnológicos "são inesgotáveis".

A governante observou que Portugal está na "linha da frente" do movimento internacional que defende a partilha aberta da produção científica e o assunto já mereceu uma resolução do Conselho de Ministros, devendo ser lançado em breve um diretório nacional de repositórios digitais científicos.

"Estamos claramente a evoluir para uma política nacional de ciência aberta, que gostaríamos que fosse partilhada e tivesse um ponto de contacto com outros países, designadamente os que usam a língua portuguesa, porque une-nos a cumplicidade da valorização e afirmação da ciência em português, que é também uma prioridade e uma aposta forte", defendeu.

Maria Fernanda Rollo referiu que também os países de língua portuguesa acompanham este movimento e deverão reunir-se no início de novembro, incluindo Moçambique, cuja construção do repositório digital tem apoio de Portugal.

"A partilha da produção científica que exista em Portugal e em Moçambique é o mínimo que podemos fazer e é seguramente um estímulo muito importante para desenvolver o conhecimento", sustentou Maria Fernanda Rollo, insistindo na importância na "democratização e disseminação do conhecimento em geral e da ciência em português".

A secretária de Estado da Ciência lembrou que atualmente o acesso a publicações e artigos científicos é pago e espera resistências à partilha aberta do conhecimento.

"Isto não se trata de pôr em causa os interesses associados e muito menos a propriedade intelectual. Antes pelo contrário, a ciência aberta é também um fator claro de transparência", sustentou a governante, acrescentando que a ciência aberta em formato digital não pretende substituir a presença física e mobilidade dos investigadores.

Através destas plataformas, prosseguiu, não só as publicações passam a estar acessíveis como uma tese de doutoramento que acaba de ser defendida, por exemplo em Braga ou no Porto, ficaria imediatamente disponível para a Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo.

"A tecnologia está aí, à nossa disposição, saibamos nós utilizá-la", declarou.

Além da promoção dos repositórios digitais e da ciência aberta, Maria Fernanda Rollo participou na Feira Nacional da Ciência, que decorreu na segunda e terça-feira na Matola, arredores de Maputo, e visitou o Museu Nacional de Geologia, onde está patente uma exposição sobre uma nova espécie de dinossauro descoberta por uma equipa de investigadores portugueses e moçambicanos.

Na agenda da secretária de Estado esteve também o aprofundamento dos instrumentos de cooperação, entre os quais a ligação entre a Agência Nacional de Ciência Viva de Portugal e a rede de centros científicos moçambicanos, que se encontra em preparação e deverá motivar uma nova visita a Maputo em março.

O programa oficial da visita encerra hoje à tarde no Museu de História Natural de Maputo, onde dará uma palestra sobre "Ciência em português".

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser