Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2018
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Investigadora alerta para abusos em países que legalizaram eutanásia

A investigadora do Instituto de Bioética da Universidade Católica Portuguesa Susana Magalhães alertou hoje para os riscos de legalizar a eutanásia ou o suicídio assistido devido aos "abusos" verificados nos países onde tal aconteceu.

Investigadora alerta para abusos em países que legalizaram eutanásia
Notícias ao Minuto

14:09 - 08/04/16 por Lusa

País Porto

"Quando a lei [de legalização da eutanásia] foi promulgada [na Bélgica, Luxemburgo e Holanda] concebia-se apenas a eutanásia em doentes com sofrimento intolerável, em estado terminal ou para quem a medicina não encontrava uma resposta que os satisfizesse. Hoje, os dados estatísticos, que inclusivamente levaram um dos grandes defensores da eutanásia na Holanda a mudar de posição, mostram que o critério já não é o sofrimento intolerável, mas uma espera pela morte sem sentido", frisou a especialista.

Tal tem levado à eutanásia de "doentes de Parkinson, reumáticos, com problemas cardiovasculares ou com depressão, para já não falar da eutanásia para crianças, o maior absurdo moral que pode existir", destacou a investigadora, em declarações à agência Lusa, à margem da sessão "Mate-me, por favor", que hoje abriu um novo ciclo de debates "Conversas com Ética" do Instituto de Bioética da Universidade Católica do Porto.

Para Susana Magalhães, "estes abusos", verificados nos "pouquíssimos países onde a eutanásia foi legalizada", têm de se levar "para cima da mesa" do debate sobre o tema.

Defendendo que "a morte assistida deve ser defendida como um processo de morrer acompanhado", a investigadora sustentou que a eutanásia ou o suicídio assistidos "não devem ser legalizados ou despenalizados", porque "o direito à vida é inalienável".

"Um dos grandes princípios para a defesa da eutanásia é a autonomia. Confunde-se autonomia com autodeterminação. Autonomia é o estádio moral que nos permite tomar decisões tendo em consideração o seu impacto em nós e nos outros. Autodeterminação é fazer o que a nossa vontade nos dita, livres de pressão externa", observou.

De acordo com a especialista, quando alguém está doente, "a autonomia está vulnerável e diminuída".

"Tomar uma decisão absoluta, que implica que outro ser humano confirme essa decisão, terminando a vida dessa pessoa, ainda que a pedido dela, parece-nos um absurdo, porque é uma decisão, é irrevogável e nós, enquanto seres humanos, somos limitados, não temos o conhecimento para tomar esse decisão", afirmou.

De acordo com a investigadora, legalizar a eutanásia significa, também, "partir do pressuposto de que há doenças que são um fardo e que quando o doente pede que se termine a vida dele, mais não está a fazer do que ser lúcido em relação ao fardo que é a vida dele".

"Quem pratica eutanásia confirma que a vida da outra pessoa perdeu o seu valor, que já não tem dignidade", avisa.

Susana Magalhães nota ainda que "legalizar é partir do pressuposto que medicina é uma ciência totalmente objetiva", mas "a subjetividade e incerteza são características da humanidade".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório