Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2020
Tempo
16º
MIN 12º MÁX 19º

Edição

"Obrigado", disse um dos 14 refugiados que chegaram a Penela

O sírio Fouad Ahmad Nameed, um dos 14 refugiados do Sudão e da Síria que chegaram hoje ao final do dia a Penela, distrito de Coimbra, fez questão de agradecer em português a possibilidade de ter uma "vida segura".

"Obrigado", disse um dos 14 refugiados que chegaram a Penela

"Obrigado", disse no final de um breve encontro com jornalistas Fouad Nameed, que estava há três anos num campo de refugiados no Egito, juntamente com a sua mulher e os seus três filhos.

O grupo de refugiados chegou a Penela por volta das 18:00, depois da aterragem no aeroporto de Lisboa ao início da tarde. Apesar do cansaço, Fouad Nameed mostrou-se disponível para falar com os jornalistas, afirmando que antes de chegar ao país que agora o acolhe já tinha uma "boa ideia" de Portugal, das suas paisagens, "das suas equipas de futebol" e das suas cidades.

"A vida é segura", foi o que sentiu assim que chegou a Portugal, apontou, classificando a guerra civil síria com um único adjetivo: "horrível".

Agora, já em Penela, e com o presidente da Câmara a informar que a escola já está pronta para receber na segunda-feira as crianças destas famílias, Fouad afirmou que espera "aprender a língua desta terra" e "encontrar um bom emprego".

"Quero poder viver pacificamente com este bom povo", frisou o antigo gerente de um centro comercial de Alepo, acrescentando que não está otimista quanto a um regresso ao seu país.

Três das cinco famílias que vieram hoje do Cairo no âmbito do Programa Nacional de Reinstalação foram acolhidas em Penela, uma em Sintra e outra em Lisboa.

Neste concelho com cerca de seis mil habitantes, os refugiados vão ficar alojados em apartamentos de tipologia T3 e T4, devidamente equipados, propriedade do Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana, mas atualmente geridos pela Câmara de Penela, num complexo que já tem sete famílias portuguesas a viver.

"A palavra inclusão vai ser sinónimo de respeito e de responsabilidade na integração destas pessoas. Vêm de processos traumáticos e esperamos que Penela possa garantir todas as condições para que aqui possam ficar em paz e em segurança", sublinhou o presidente da autarquia, Luís Matias.

Apesar de admitir que haverá alguma "preocupação" por parte da população, o autarca prefere destacar que, acima de tudo, "há uma enorme vontade de recolher e de receber estas pessoas. Ninguém fica indiferente" à situação.

O presidente da Fundação ADFP (Assistência para o Desenvolvimento e Formação Profissional), uma das entidades responsáveis pelo projeto de integração de refugiados em Penela, manifestou-se confiante em que os habitantes e instituições de Penela vão dar uma "resposta fraterna" às famílias de refugiados sírios e sudaneses.

O objetivo é que as famílias comecem já a aprender português e possam garantir a sua autonomia, disse Jaime Ramos.

Este grupo de refugiados integra-se no Programa Nacional de Reinstalação, um processo diferente daquele que a União Europeia lidera face à crise das migrações em curso e que colocará em Portugal 4.500 requerentes de proteção internacional nos próximos dois anos.

Em Penela, falta ainda uma família síria, de seis pessoas, que integra o grupo de outros 22 refugiados que ficaram retidos no Egito, devido a uma greve da companhia aérea alemã Lufthansa.

Segundo o diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, esse grupo deverá chegar a Lisboa no domingo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório