Meteorologia

  • 25 JUNHO 2024
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 23º

Moradores de bairros lisboetas queixam-se de ter "mini Cais do Sodré" à porta

Moradores dos bairros lisboetas de Campo de Ourique, Príncipe Real, Santa Catarina e Arco do Cego queixam-se de barulho e sujidade devido à atividade noturna nestas zonas, problemas de que os residentes no Cais do Sodré há muito reclamam.

Moradores de bairros lisboetas queixam-se de ter "mini Cais do Sodré" à porta
Notícias ao Minuto

12:48 - 24/10/15 por Lusa

País Reclamações

Há 15 anos, quando Nelson Calvinho se mudou para Campo de Ourique fê-lo "por causa do sossego" daquele bairro. Hoje, considera ter um "mini Cais do Sodré" no seu quarteirão, graças ao ruído proveniente do mercado.

Com a renovação do espaço, há dois anos, surgiram concertos à noite. O problema, segundo Nelson Calvinho, é o mercado "não ter condições de acústica para isso".

"Estou em casa, na minha sala, com o som da televisão altíssimo, e a música do mercado sobrepõe-se", contou à Lusa.

A par desta situação, há o fenómeno do 'botellón' -- termo espanhol usado para descrever a ingestão de álcool na via pública --, "impensável em Campo de Ourique há uns anos", assinalou.

O morador está a preparar uma queixa para enviar à Câmara, o que Rute Mendes, moradora na Calçada do Combro (Santa Catarina), já fez diversas vezes, sem sucesso.

Também aqui há problemas com o ruído, de acordo com a munícipe, devido à atividade de um bar ao ar livre no topo do parque de estacionamento, que funciona até às 02:00, e aos "molhos" de gente que vai a pé do Bairro Alto para Santos ou Alcântara.

Com dois filhos de 17 e cinco anos, Rute Mendes admitiu nunca ter estado "tão cansada como agora". Além do barulho, o trânsito fica frequentemente congestionado na Calçada do Combro e há pessoas a urinar na rua, referiu.

O Príncipe Real "não é o pior dos sítios, mas está em vias de se tornar" porque "estão a abrir cada vez mais bares", disse à Lusa o morador Jorge Pinto.

Já no jardim França Borges "juntam-se grupos que extravasam" os limites de ruído, observou o membro dos Amigos do Príncipe Real.

Acresce que "deixou de haver horas de pontas" naquela zona, com engarrafamentos de trânsito "até altas horas da noite".

No Arco do Cego, o problema começou há três anos quando o Instituto Superior Técnico proibiu a venda de bebidas alcoólicas no interior.

"Os estabelecimentos em redor, ao aperceberem-se da elevada procura que iriam ter e com o apoio das cervejeiras, começaram a vender a cerveja a baixo preço. Chega a custar 40 cêntimos", disse o presidente da Associação de Moradores das Avenidas Novas, José Soares.

Estudantes de toda a cidade começam a juntar-se ali por volta das 14:00 e ficam até de madrugada, pelo que "passar com uma cadeira de rodas [na Rua D. Filipa de Vilhena] ou carrinho de bebé é impossível", afirmou.

Além do ruído e da sujidade, José Soares alertou que há "situações de jovens a entrar em coma", com ambulâncias ali a passar todos os dias.

Estes problemas são conhecidos dos moradores do Cais do Sodré. Isabel Sá Bandeira, da associação Aqui Mora Gente, revelou que "se a situação era possível piorar, piorou" nos últimos meses, além de ter "havido um aumento enorme da criminalidade, com pessoas assaltadas todos os fins de semana".

"A polícia não atua", lamentou a responsável, que defende também a proibição de beber álcool na rua entre as 22:00 e as 07:00.

No Bairro Alto, berço da vida noturna da cidade, tem-se assistido a "alguma redução" de afluência, já que "o público jovem muito barulhento" que ali costuma ir se está a deslocar para o Cais do Sodré, indicou Luís Paisana, da associação de moradores.

Recomendados para si

;
Campo obrigatório