Meteorologia

  • 19 MAIO 2024
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 21º

Lisboa recebe loja para pessoas carenciadas onde dinheiro não entra

Uma loja de rua para pessoas em situação de vulnerabilidade social, onde se vai "vender" roupa, sapatos e livros mas em que o dinheiro não entra, vai estar aberta sábado na Praça de Londres, em Lisboa, disse hoje a organizadora.

Lisboa recebe loja para pessoas carenciadas onde dinheiro não entra
Notícias ao Minuto

14:06 - 21/10/15 por Lusa

País Sábado

Esta é a primeira vez que a capital portuguesa recebe uma "Street Store": uma ação internacional destinada a pessoas em condição de sem-abrigo ou em situação de vulnerabilidade social e que chega agora a Portugal.

Além de Lisboa, as cidades de Porto, Braga e Coimbra também vão ter uma "Street Store" no mesmo dia e à mesma hora (das 10:00 às 18:00).

Em declarações à Lusa, Mafalda Lobato, organizadora da loja em Lisboa e mentora desta iniciativa em Portugal, disse que fizeram uma recolha de bens em todo o país para as quatro lojas.

Em Lisboa vão estar expostas muitas peças desde mantas, casacos, sapatos, produtos de higiene, livros e coisas para bebés, entre outros.

Os interessados levam o que precisarem até um limite que "ainda não está definido", mas Mafalda Lobato aponta para 10 peças.

Na "Street Store" estarão também cabeleireiros que irão prestar serviços gratuitos e a organização está a tentar levar enfermeiros para prestarem cuidados de saúde.

"De manhã, vamos ter um ator de rua a animar a loja e vai passar também por lá um grupo de reiki", acrescentou Mafalda Lobato.

No Porto, a "Street Store" vai acontecer na Praça da Alegria, enquanto em Coimbra será no Largo do Romal e em Braga em frente ao Balcão Único.

Para trazer este conceito a Lisboa, Mafalda Lobato contou com o apoio da Comunidade Vida e Paz que a "encaminhou" e ajudou a vários níveis.

"Vi este conceito na internet e decidi, sozinha, avançar. Através do Facebook juntaram-se mais três pessoas para Porto, Coimbra e Braga", contou à Lusa.

Para a organizadora, a maior dificuldade foi arranjar parceiros porque "nenhum trabalha na área social o que dificultou porque não têm 'cunhas' em associações".

"Não temos cunhas, só vontade de ajudar. Mas encontrei a comunidade Vida e Paz que nos deu apoio", acrescentou.

Recomendados para si

;
Campo obrigatório