Meteorologia

  • 17 OUTUBRO 2019
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 22º

Edição

Marina de Jardim custou 100 milhões. Agora, vai tudo abaixo

Presidente do governo regional da Madeira quer reformular as sociedades de desenvolvimento que Alberto João Jardim criou para ‘dar a volta’ aos limites de endividamento a que o arquipélago estava sujeito.

Marina de Jardim custou 100 milhões. Agora, vai tudo abaixo

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, revelou ao jornal Público que vai “desmantelar” a Marina do Lugar de Baixo, situada no concelho da Ponta do Sol.

“Perante os factos, o governo regional decidiu iniciar o seu desmantelamento e recolha do equipamento, que será usado em outros empreendimentos de natureza pública”, revelou o responsável madeirense em declarações ao jornal Público.

A Marina do Lugar de Baixo, escreve o Público, foi inaugurada em 2004. Com um orçamento inicial estimado em 29,7 milhões de euros, o valor final fixou-se nos 100 milhões devido a constantes intervenções que foram necessárias.

Segundo a mesma fonte, o empreendimento foi construído apesar de vários estudos indicarem que a sua construção não seria viável, tendo em conta as condições do mar naquele local.

A Marina foi um dos empreendimentos levados a cabo através das sociedades de desenvolvimento que Jardim criou para contornar problemas de endividamento excessivo. Mas não foi caso único. A este soma-se, a título de exemplo, um heliporto no Porto Moniz que nunca chegou a funcionar ou um campo de golfe no Porto Santo que custou 25 milhões de euros e que tem apenas 30 sócios.

Miguel Albuquerque disse ainda que “a reestruturação das sociedades de desenvolvimento, em articulação com os restantes acionistas [municípios], está a ser equacionada dentro do objetivo de reformulação de todo o setor empresarial regional”.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório