Meteorologia

  • 21 JUNHO 2024
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 24º

Ordem dos Médicos: "Governo apontou SNS como a sua principal prioridade"

O bastonário dos Médicos destacou o facto de as medidas para a Saúde poderem ser "monitorizadas, para percebemos se são só promessas ou se há uma vontade de execução".

Ordem dos Médicos: "Governo apontou SNS como a sua principal prioridade"
Notícias ao Minuto

15:50 - 29/05/24 por Notícias ao Minuto

País Ordem dos Médicos

O bastonário da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, destacou, esta quarta-feira, que o programa de emergência para a Saúde, aprovado em Conselho de Ministros, mostrou que o Governo tem o Serviço Nacional de Saúde (SNS) como "principal prioridade".

"Percebemos que o Governo apontou o Serviço Nacional de Saúde (SNS), a saúde dos portugueses, como a sua principal prioridade", começou por referir em declarações aos jornalistas, em Lisboa.

O responsável acrescentou que "os principais problemas do SNS foram elencados e foram apresentadas soluções", sendo que "muitas das soluções estão conectadas com aquilo que é a valorização dos profissionais de saúde"

"Sabemos que um dos principais problemas do SNS é a retenção, a captação, de médicos que são necessários", frisou, destacando que a problemática "foi destacada" durante a conferência de imprensa do primeiro-ministro, Luís Montenegro, e da ministra da Saúde, Ana Paula Martins.

Sobre a Medicina Geral e Familiar e os Serviços de Urgência, Carlos Cortes afirmou que a Ordem dos Médicos irá "esperar para saber exatamente quais são" as medidas concretas do Governo.

O bastonário destacou ainda o facto de o Governo apresentar o programa de "forma transparente e de forma pública". "Todas estas medidas vão poder ser acompanhadas, vão poder ser monitorizadas, para percebemos se são só promessas ou se há uma vontade de execução", afirmou.

O primeiro-ministro anunciou que o programa de emergência para a saúde pretende esgotar os recursos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) até ao limite, mas conta também com os setores social e privado de forma complementar.

"Este plano de emergência e transformação na saúde vai esgotar, até ao limite do que é possível, a capacidade do Estado, seja no aproveitamento dos recursos humanos, seja no aproveitamento de todas as unidades de saúde", afirmou Luís Montenegro na apresentação das medidas para o setor aprovadas hoje em Conselho de Ministros.

Em conferência de imprensa, o chefe do executivo assegurou que o "Governo não faz da gestão da área da saúde uma questão ideológica", salientando que, quando a capacidade do SNS se esgotar, os "cidadãos não podem ficar privados do acesso aos cuidados de saúde que precisam e merecem"

Leia Também: Plano de emergência para a saúde "não vai suficientemente longe", diz IL

Recomendados para si

;
Campo obrigatório