Meteorologia

  • 16 JUNHO 2024
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 24º

Ambientalistas consideram precipitado aliviar restrições a água

Organizações ambientalistas consideraram hoje que o Governo se precipitou a aliviar as restrições aos consumos de água no Algarve, uma decisão que "não se justifica" e que levanta "preocupações" para os próximos meses.

Ambientalistas consideram precipitado aliviar restrições a água
Notícias ao Minuto

15:54 - 23/05/24 por Lusa

País Seca

"Não se justifica. E está a dar-se um sinal contrário ao que se devia dar no início da época em que se registam consumos mais intensos", disse à Lusa Afonso do Ó, especialista em água na Associação Natureza Portugal (ANP), parceira no país da internacional "World Wide Fund for Nature" (WWF).

A medida anunciada pelo Governo suscita preocupações também à associação Zero, com Sara Correia a citar a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) para dizer que as reservas só garantem água até ao final do ano.

Na quarta-feira o primeiro-ministro, Luís Montenegro, anunciou em Faro que o Governo decidiu aliviar as restrições impostas aos consumos de água na agricultura e no setor urbano do Algarve, incluindo o turismo, para fazer face à seca na região.

Luís Montenegro indicou que o executivo vai aprovar um "alívio de cerca de 20 hectómetros cúbicos na restrição que está hoje em vigor em todas as áreas de atividade", distribuindo-se este valor por "2,65 hectómetros cúbicos de alívio no consumo urbano, de 13,14 de alívio no consumo da agricultura e de 4,17 no alívio no consumo para o turismo".

Aliviar as medidas no início do verão, sem saber como serão os próximos meses, pode colocar a região numa posição semelhante a outros anos, disse Sara Correia, estranhando que o Ministério do Ambiente tenha apoiado a decisão.

"Não nos admiramos muito que da parte do Ministério da Agricultura houvesse essa intenção para o setor agrícola. Mas preocupa-nos que o Ministério do Ambiente dê o aval, quando até há pouco tempo disse estar preocupado com a situação", afirmou.

Apesar de ter chovido no inverno, a responsável da Zero salientou que não há garantias de água para os próximos meses, quando se aproxima o verão e o aumento dos consumos.

Afonso do Ó também apontou as incertezas futuras para considerar precipitada a decisão do Governo e disse à Lusa que na região do Algarve em abril quase não choveu e em maio, até hoje, "nem uma gota".

O representante da ANP salientou também que as restrições ao consumo na agricultura não resultariam na morte das culturas por falta de água desde que houvesse racionalização.

"Daqui até outubro estamos na estação seca e quente e a decisão anunciada foi "política" e "tecnicamente pouco justificada", disse Afonso do Ó lamentando que todos os anos o país entre no ciclo de esperar que o céu resolva os problemas de falta de água.

O responsável considerou também que apontar níveis de redução no abastecimento semelhantes para usos urbanos, agrícolas e outros vai contra a priorização de usos consagrada na Lei da Água, e que é "ambientalmente irresponsável" considerar reduções semelhantes para sistemas que estão a 23% ou no dobro.

Para Afonso do Ó, a decisão do Governo vai contra o princípio da precaução e "ao arrepio" dos cenários de alterações climáticas mais recentes.

Segundo os dados oficiais de armazenamento das albufeiras, referentes a 20 de maio, nenhuma das albufeiras das bacias do Arade, Ribeiras do Barlavento e Ribeiras do Sotavento ultrapassava os 50% de capacidade.

Leia Também: Praia da Conceição, em Cascais, interdita a banhos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório