Meteorologia

  • 24 JUNHO 2024
Tempo
23º
MIN 17º MÁX 29º

AIMA soma mais de mil reclamações (107 só em maio). Demora lidera queixas

A demora na obtenção dos documentos é o principal motivo denunciado.

Notícias ao Minuto

18:56 - 14/05/24 por Notícias ao Minuto

País AIMA

Nos últimos dias, a Agência para a Integração, Migrações e Asilo (AIMA) tem estado no centro da polémica, depois de ter decidido pedir o pagamento antecipado dos custos do agendamento para concluir processos de regularização e também das longas filas que têm vindo a repetir-se desde o início da semana às portas da agência.

A insatisfação dos cidadãos estrangeiros com a AIMA tem se refletido no Portal da Queixa, onde o número de reclamações tem subido.

Desde a transição do SEF para a AIMA, foram registadas mais de mil queixas na plataforma, sendo que, sob a posse do novo Governo foram 200.  A demora na obtenção dos documentos é o principal motivo denunciado.

Os dados analisados indicam que, desde que a AIMA substituiu o SEF (a 29 de outubro de 2023), até ao momento, foram registadas 1111 reclamações. No primeiro quadrimestre de 2024, o número de ocorrências contra a agência foi de 764 e o mês de abril foi o que somou o maior volume de reclamações (197). O mês de maio já contabiliza, a dia 14, 107 queixas. 

Desde que o novo Governo tomou posse, há um mês, foram apresentadas 201 denúncias.

Desde o início de funções da AIMA, os principais motivos de reclamação reportados são a demora no processo de obtenção dos documentos (pedidos com urgência), a gerar 56.2% das reclamações, e os problemas com a entrega de documentos (onde também há relato de extravios), que motivaram 14.1% das participações

Já a dificuldade de contacto com o organismo (queixas referentes a dificuldade em falar com um funcionário do AIMA por qualquer meio de comunicação), motivaram 13.3% das queixas. 

A absorver 9.9% das reclamações estão os constrangimentos com o agendamento, ou seja, são reportadas dificuldades em realizar agendamentos com os serviços da AIMA. 

Há ainda uma fatia das reclamações (2.3%) que diz respeito a problemas na utilização da plataforma online: Os imigrantes descrevem dificuldades com o login, indisponibilidade da plataforma ou dificuldade para recuperar a password.

Segundo revelam os dados, das 34 lojas da AIMA existentes no país, 29 foram citadas nas reclamações. Geograficamente, as mais visadas foram: Lisboa (agrupamento de várias lojas), a ser alvo de 16.8% das queixas; segue-se Setúbal (14%); Coimbra (8.5%); Porto (8%) e Alverca (6.6%).

49% das reclamações são de cidadãos do Brasil

Relativamente à nacionalidade das pessoas que mais reclamações dirigem à AIMA, os cidadãos do Brasil lideram, com 49%; seguem-se os imigrantes dos Estados Unidos (11%) e da Índia (7%). Já os cidadãos oriundos de Angola são responsáveis por 6% das queixas registadas e os da França pesam uma fatia de 4%. 

Sobre o perfil do cidadão estrangeiro que mais reclama sobre os serviços da AIMA, está faixa dos 25 a 34 anos e a maioria é do género masculino (55.2%). 

A página da AIMA no Portal da Queixa apresenta, atualmente, um índice de satisfação pontuado em 15.9 em 100, uma taxa de resposta de 13.9% e uma taxa de solução de 15,2%.

Leia Também: Associação teme que mudanças na AIMA sejam desculpa para "fechar portas"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório