Meteorologia

  • 19 MAIO 2024
Tempo
20º
MIN 12º MÁX 21º

Suspeitos de crimes saem em liberdade por greve de funcionários judiciais

Pelo menos 12 detidos vão sair hoje em liberdade na área metropolitana de Lisboa devido à greve dos oficiais de justiça, envolvendo casos de homicídio, violência doméstica e tráfico de droga, segundo fonte do Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ).

Suspeitos de crimes saem em liberdade por greve de funcionários judiciais
Notícias ao Minuto

16:47 - 24/04/24 por Lusa

País Funcionários judiciais

A mesma fonte disse à Lusa que há um suspeito de homicídio que será libertado por não poder ser presente a juiz de instrução para primeiro interrogatório judicial no prazo de 48 horas. O mesmo acontece em relação a outros cinco suspeitos de tráfico de droga que já foram libertados, quatro dos quais apanhados com 'bolotas' de estupefacientes, e que seriam supostamente 'correios de droga'.

Há ainda um outro detido - cujo alegado crime não foi identificado - que teve de ser libertado em Cascais e mais cinco detidos por suspeitas de violência doméstica que saem também em liberdade pela mesma razão: dois em Lisboa, dois em Sintra e um no Seixal.

"O feriado do 25 de Abril ficou entre duas greves sem serviços mínimos e os detidos que acabarem o prazo de 48 horas entre estes três dias [quarta, quinta e sexta-feira] esgotam o prazo antes do turno de sábado de manhã no Tribunal Central de Instrução Criminal" [também conhecido como Ticão], referiu.

A mesma fonte admitiu que "se calhar, vão verificar-se mais situações destas até ao final de dia e na sexta-feira".

"Normalmente não há turnos ao feriado. Os tribunais podem ter lá os juízes no Ticão ou no tribunal de instrução de Cascais, mas não têm os funcionários", sintetizou.

Segundo a mesma fonte do SFJ, a greve de hoje, que foi acompanhada de concentrações destes profissionais em diversas cidades do país, terá atingido "os 90% de adesão" a nível nacional.

No Algarve, por exemplo, a adesão à greve de hoje dos funcionários judiciais está acima dos 70%, encontrando-se encerrados os tribunais de Faro e de Olhão.

O dirigente regional do Algarve do SFJ, Aniceto Massa, disse que a paralisação na maioria dos tribunais "é muito significativa, funcionando praticamente em serviços mínimos".

Segundo Aniceto Massa, os processos com arguidos presos estão a ser direcionados pelos tribunais que estão encerrados para o Tribunal de Portimão, "onde se regista forte adesão, mas com funcionários a trabalharem no juízo de instrução criminal".

Na opinião de Aniceto Massa, a adesão à greve de hoje "não é maior, porque o vencimento que os funcionários judiciais auferem é de tal maneira escasso e paupérrimo que é um esforço significativo fazer dois dias de greve consecutivos".

"Apesar de as pessoas terem vontade de fazer greve, não é fácil depois gerir o orçamento familiar. Estou convicto que na sexta-feira a adesão seja de 100% no Algarve", concluiu.

Leia Também: Julgamento de ativistas do Climáximo adiado pela 2.ª vez devido a greve

Recomendados para si

;
Campo obrigatório