Meteorologia

  • 30 MAIO 2024
Tempo
19º
MIN 16º MÁX 30º

Cerimónia militar abre comemorações do 25 de Abril em Lisboa

O programa da Comissão Comemorativa dos 50 anos do 25 de Abril em Lisboa, na quinta-feira, começa com uma cerimónia militar no Terreiro do Paço na presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Cerimónia militar abre comemorações do 25 de Abril em Lisboa
Notícias ao Minuto

10:13 - 24/04/24 por Lusa

País 25 de Abril

As comemorações, com início às 09h00, incluem às 09h40 a recriação histórica "Operação fim de regime", iniciada no dia anterior na Escola Prática de Cavalaria, em Santarém, com a colaboração da Associação Portuguesa de Veículos Militares Antigos.

Uma réplica da coluna comandada pelo capitão Salgueiro Maia, que há 50 anos saiu de Santarém rumo a Lisboa, chega ao Terreiro do Paço a tempo de desfilar perante Marcelo Rebelo de Sousa e restantes entidades.

As antigas viaturas do Exército ficam ali estacionadas até às 12h00, proporcionado a interação dos cidadãos com os militares de Abril presentes.

"Estará também exposto um carro de combate 'M47 Patton', representando as forças militares leais ao Governo de Marcelo Caetano", informa a Comissão Comemorativa, liderada pela historiadora e comissária executiva Maria Inácia Rezola.

A comissão "junta-se à mobilização coletiva para assinalar os 50 anos do derrube da ditadura e celebrar 50 anos de liberdade", nas ruas de Lisboa, apelando aos cidadãos para percorrerem "os caminhos da revolução".

O golpe realizado com sucesso, há meio século, pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) derrubou o regime autoritário vigente durante 48 anos em Portugal, primeiro como Ditadura Nacional, após o 28 de Maio de 1926, e depois com o Estado Novo de Salazar, quando em 1933 entrou em vigor a Constituição de inspiração corporativa.

Às 11h30, realiza-se na Assembleia da República, em São Bento, a cerimónia solene alusiva aos 50 anos do 25 de Abril.

Entretanto, na Baixa de Lisboa, é retomada às 12h00 a recriação "Operação fim de regime".

"Os veículos militares antigos iniciam a recriação da marcha sobre o Quartel do Carmo e o cerco ao local. Será reconstituído o trajeto efetuado em 1974, com a saída do Terreiro do Paço até ao Rossio, subindo a rua do Carmo e a rua do Sacramento", de acordo com o programa.

As viaturas, que simbolizam o MFA, estão depois expostas no Largo do Carmo, até às 16h00, ficando o Quartel do Carmo aberto ao público todo o dia.

Organizado pela Comissão Promotora das Comemorações Populares, o tradicional desfile do 25 de Abril, na avenida da Liberdade, começa às 15h00, terminando no Rossio, onde acontecem intervenções políticas e momentos culturais.

Às 16h00, recomeça a reconstituição histórica no Largo do Carmo, de onde sai uma coluna militar para o quartel da Pontinha, encenando o transporte do presidente do Conselho deposto, Marcelo Caetano, até ao posto de comando do MFA, no qual destacou o estratega do golpe e então major Otelo Saraiva de Carvalho.

Em Lisboa, as comemorações começam já hoje, às 22h00, no Terreiro do Paço, com o espetáculo "Uma ideia de futuro" e o 'video mapping' "25 de Abril, quinta-feira".

No espetáculo audiovisual, com entrada livre, participam seis jovens "que traçam um retrato do Portugal de hoje e mostram o caminho percorrido", além de 180 músicos que constroem a banda sonora a partir de temas de José Afonso, José Mário Branco, Sérgio Godinho, Fausto, Adriano Correia de Oliveira, Fernando Lopes Graça e Carlos Paredes.

Também para hoje, às 22h15, no Porto, na avenida dos Aliados, está marcado o concerto "Aliados à liberdade" e a projeção do mesmo 'video mapping'.

Participam os Canto Nono, Vozes da Rádio e Coral de Letras da Universidade do Porto. Também vão estar em palco Pedro Lamares e Odete Moço, combinando vozes com poesia.

Em Santarém, o programa começa hoje, às 21h00, e inclui o 'video mapping' e a peça "Esta é a madrugada que eu esperava", com encenação de Rita Lello e texto do coronel Correia Bernardo.

Segundo um estudo do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e do ISCTE -- Instituto Universitário de Lisboa, divulgado na sexta-feira, o 25 de Abril de 1974 é o facto mais importante da Históri NS a de Portugal para 65% dos inquiridos.

Leia Também: 25 de Abril "não tem de ser comemorado em parelha com mais nenhum dia"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório