Meteorologia

  • 18 MAIO 2024
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 20º

Melo quer "honrar os militares do presente e os combatentes do passado"

O ministro da Defesa Nacional disse hoje que o Governo quer "honrar os militares do presente e os combatentes do passado" e considerou que a missão estará cumprida se conseguir travar "o declínio no recrutamento" das Forças Armadas.

Melo quer "honrar os militares do presente e os combatentes do passado"
Notícias ao Minuto

15:38 - 21/04/24 por Lusa

País Governo

"As Forças Armadas são, na guerra como na paz, a última fronteira da nossa independência, um vínculo entre o Estado e a nação, o país e a sua memória. É por isso que nós, no Governo, queremos honrar os militares do presente e os combatentes do passado, preparar e salvaguardar os do futuro", afirmou Nuno Melo.

O presidente do CDS-PP discursava no encerramento do 31.º Congresso do partido, que terminou hoje em Viseu com a eleição dos novos órgãos.

Nuno Melo destacou ser o "quinto ministro da Defesa" do CDS-PP, sucedendo a "pessoas tão importantes como Paulo Portas, Freitas do Amaral, Luís Azevedo Coutinho e Adelino Amaro da Costa", e disse ter "a exata noção da dimensão da tarefa".

O ministro da Defesa elencou o caderno de encargos para a legislatura, dizendo que sentirá que a "missão [foi] cumprida" se conseguir "travar o declínio no recrutamento para as Forças Armadas", se conseguir, "em base voluntária e com incentivos adequados, melhorar o estado operacional das Forças Armadas", melhorar "a assistência na saúde e na vida dos antigos combatentes", "dar eficiência e proveito às indústrias e unidades industriais da Defesa" e, ainda, "cumprir com os objetivos de execução no equipamento e nas infraestruturas".

Se cumprir estes objetivos, deixará "as Forças Armadas em melhor situação do que a recebida", defendeu.

Numa intervenção de meia hora em que levantou várias vezes a sala, Nuno Melo indicou que, "com respeito pelas possibilidades orçamentais", o Governo tentará dar "respostas para as necessidades de importância de investimento na defesa" e para a "dignificação das Forças Armadas" e a "valorização dos antigos combatentes".

O ministro comprometeu-se também com a "atualização de incentivos ao recrutamento e retenção dos militares" a "capacitação produtiva e tecnológica da indústria de defesa" e a "modernização e a adequação dos equipamentos e instalações onde há tanto por fazer".

"Caminhando-se também, naquele que é um compromisso assumido, a começar, pelo primeiro-ministro, determinantemente mas faseadamente, tendo em contas a possibilidades, para o nosso compromisso internacional de investimento no quadro NATO", apontou.

Neste ponto, Nuno Melo dirigiu-se a um "todos os partidos" com quem o CDS-PP partilha "há muitos anos um consenso alargado e patriótico em torno da política de defesa, construído e mantido por todos os governos constitucionais desde o 25 de Abril, com base nos eixos europeu, Atlântico e lusófono".

O líder do CDS-PP comentou também a aprovação de um pacote de ajuda à Ucrânia na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, que permitirá dar um novo impulso a Kiev para fazer face à invasão russa, e considerou que "felizmente, os norte-americanos voltaram à lucidez numa ajuda que é por um mundo livre, pela democracia e pela liberdade".

"Cada cêntimo, cada munição, cada sistema de defesa aérea entregue à Ucrânia, não é caridade, é investimento e é uma obrigação. Na Ucrânia há soldados que morrem todos os dias para que não tenhamos de combater nós em defesa das nossas liberdades", salientou, defendendo que "o que se joga a Leste não é só uma disputa territorial, é também um confronto entre as democracias e os totalitarismos".

Leia Também: Melo acusa PS de "surto amnésico acelerado" por críticas sobre IRS

Recomendados para si

;
Campo obrigatório