Meteorologia

  • 24 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 25º

25 de Abril "nasceu à Esquerda", mas "Direita partilha do mesmo orgulho"

O Presidente da República considerou hoje que o 25 de Abril nasceu à esquerda mas é acolhido como uma data nacional com "homogeneidade por setores políticos", incluindo pelos portugueses ideologicamente mais à direita.

25 de Abril "nasceu à Esquerda", mas "Direita partilha do mesmo orgulho"
Notícias ao Minuto

20:26 - 19/04/24 por Lusa

País Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa falava no encerramento de uma sessão de apresentação do estudo "Os portugueses e o 25 de Abril", realizado por uma equipa do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e do ISCTE -- Instituto Universitário de Lisboa, coordenada por Pedro Magalhães, em parceria com a Comissão Comemorativa dos 50 anos do 25 de Abril, Expresso e SIC.

O chefe de Estado realçou que os portugueses inquiridos para este estudo manifestaram "uma escolha esmagadora do 25 de Abril" de 1974 como a data mais importante da História de Portugal, expressaram "um juízo negativo global sobre a ditadura" e "o orgulho de uma transição como aquela que foi realizada".

"E o impressionante disto é que não corresponde, por um lado, a algumas tendências recentes de narrativas e discursos que são evocativas do passado pré-25 de Abril ou muito críticas em relação ao percurso do 25 de Abril, não corresponde. Não há aqui uma correspondência", assinalou.

O Presidente da República disse que o estudo mostra "um juízo mais positivo do que era em 2014 e 2004 e genericamente muito positivo ou bastante positivo, mas não acrítico", e confessou que tinha "expectativas muito menos positivas quanto à visão dos portugueses relativamente ao 25 de Abril".

"Mas há mais surpresas: é uma homogeneidade por setores políticos. A Direita, embora mesmo quando se admite uma conotação mais à Esquerda com o 25 de Abril do que mais à Direita, a Direita partilha do mesmo orgulho da transição pacífica, até é ligeiramente superior, tem juízos que não são dissemelhantes dos juízos de Esquerda", prosseguiu.

"Isto quer dizer que o 25 de Abril, a ser verdade e a dar como boa esta apreciação, este juízo qualitativo, o 25 de Abril se tornou nacional. Se nasceu à Esquerda, mais do que à Direita, hoje, do ponto de vista qualitativo, é visto quase da mesma maneira pela Direita e pela Esquerda", concluiu.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que "tendencialmente não há conotação do 25 de Abril com nenhum partido político, mas naqueles que têm conotações aparecem naturalmente o PS e o PCP com maior volume de conotações, e a seguir, por esta ordem, o Chega e o PSD, com uma expressão muito reduzida, mas aparecem".

"Há coisas surpreendentes nesse estudo, mas que é condizente com o juízo homogéneo à Esquerda e à Direita sobre várias perguntas que são o julgamento do 25 de Abril e do pós-25 de Abril", acrescentou.

Para o Presidente da República há "uma realidade é óbvia: é que o 25 de Abril é nacional, hoje".

A este propósito, destacou a predominância do PSD no poder ainda no "período inicial da democracia", de 1980 até 1995 -- com dois anos de Bloco Central pelo meio --, um "longo período de 15 anos de Governo de Direita", quando "o que se esperaria é que fosse a Esquerda a dominar a governação".

Marcelo Rebelo de Sousa apontou que, depois, houve uma situação "quase contraposta, que é um longo período de Governo de Esquerda", do PS, "com pequenas aberturas no centro-Direita e à Direita, de quase 30 anos".

"O saldo do juízo dos portugueses, incluindo os mais ao centro-Direita ou mais à Direita, é uma visão global, nacional do 25 de Abril. Por isso eu disse que as expectativas tidas em relação ao estudo eram umas, o resultado é outro", reiterou.

Na sua opinião, "tudo somado, o saldo, visto com distanciamento é positivo, é uma boa notícia para Portugal".

Leia Também: "Democracia faz-se ou desfaz-se todos os dias", defende Marcelo

Recomendados para si

;
Campo obrigatório