Meteorologia

  • 24 JUNHO 2024
Tempo
24º
MIN 17º MÁX 29º

AR? Aguiar-Branco pede que se evite tratamento por "tu ou você"

A campainha voltará a tocar antes dos plenários na Assembleia da República e o presidente do Parlamento pediu aos deputados que evitem tratamentos por "tu" ou por "você" de forma "a dignificar o debate".

AR? Aguiar-Branco pede que se evite tratamento por "tu ou você"
Notícias ao Minuto

18:53 - 16/04/24 por Lusa

País Parlamento

Na súmula da última conferência de líderes, realizada a 10 de abril, hoje divulgada, dá-se conta de que "a campainha voltará a tocar no início dos trabalhos, um minuto antes das 15h00 ou das 10h00, no Palácio e no edifício novo, para alertar os deputados".

Esta prática tinha terminado em janeiro de 2023, só se mantendo, desde então, o toque da campainha antes do início de votações.

Na mesma reunião, o presidente da Assembleia da República, José Pedro Aguiar-Branco, defendeu que "os mínimos do tratamento pela positiva passavam pelas formulações 'senhor deputado" e 'senhor presidente'", devendo evitar-se o tratamento por "tu" ou "você", "de forma a dignificar o debate parlamentar sem coartar o conteúdo do mesmo, dignificando a casa da democracia".

Na mesma conferência de líderes, como foi anunciado na semana passada aos jornalistas, decidiu-se que o parlamento passará a ter um semáforo para disciplinar as intervenções dos deputados e membros do Governo, com a palavra do orador a ser cortada 15 segundos depois de se ter acendido o sinal vermelho.

De acordo com o porta-voz da conferencia de lideres, o deputado social-democrata Jorge Paulo Oliveira, esta proposta para impedir situações de desrespeito em relação ao tempo limite das intervenções partiu do presidente da Assembleia da República, José Pedro Aguiar-Branco, e "dos seus vice-presidentes".

"Não mereceu a unanimidade, mas obteve uma muito ampla maioria" entre as forças políticas presentes na reunião de hoje da conferência de líderes parlamentares, adiantou então.

Na súmula hoje divulgada, é revelado que Livre e Chega manifestaram objeções.

A líder parlamentar do Livre, Isabel Mendes Lopes, referiu que, "embora compreendesse que se pretende evitar o prolongamento do uso da palavra pelo orador, o processo lhe parecia muito rígido e defendeu que devia ser gerido pela Mesa e não pré-imposto".

Já o líder parlamentar do Chega, Pedro Pinto, defendeu que 15 segundos antes de desligar o microfone "era um tempo muito curto e não representava um bom exemplo na casa da democracia".

No entanto, Aguiar-Branco respondeu que "a experiência demonstrava que o que estava em causa era uma questão de autodisciplina e responsabilidade, e frisou que as regras eram democráticas, iguais para todos, e que qualquer orador saberá da possibilidade de o microfone se desligar com 45 segundos de antecedência".

Este sistema não foi ainda aplicado na semana passada, quando se debateu o programa do Governo, nem durante o debate preparatório do Conselho Europeu.

Leia Também: Europeias? PSD reúne-se na 2.ª-feira, mudança do nome AD na agenda

Recomendados para si

;
Campo obrigatório