Meteorologia

  • 15 ABRIL 2024
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 24º

Dezanove vítimas de abuso querem indemnização da Igreja Católica

Dezanove vítimas de abuso sexual no seio da Igreja Católica em Portugal já manifestaram ao Grupo VITA a vontade de serem indemnizadas financeiramente pelos danos sofridos.

Dezanove vítimas de abuso querem indemnização da Igreja Católica
Notícias ao Minuto

12:22 - 04/04/24 por Lusa

País Igreja

A psicóloga Rute Agulhas, coordenadora do Grupo VITA, em informações escritas enviadas à agência Lusa, informou hoje que "até ao momento, foram reportadas [àquela estrutura] 86 situações", entre as quais já "existem 19 pedidos de reparação financeira".

Em 17 de março, eram 12 as vítimas que haviam manifestado a intenção de pedirem indemnização à Igreja.

O organismo criado pela Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) na sequência do trabalho da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais de Crianças na Igreja Católica - que ao longo de quase um ano validou 512 testemunhos de casos ocorridos entre 1950 e 2022, apontando, por extrapolação, para um número mínimo de 4.815 vítimas -- adiantou ter "realizado um total de 56 atendimentos" e que estão "mais atendimentos agendados ainda para o presente mês de abril".

Até hoje, o Grupo VITA sinalizou já 50 situações à Igreja e 18 à Procuradoria-Geral da República e à Polícia Judiciária, adiantou Rute Agulhas.

Estes dados são revelados a quatro dias do início da Assembleia Plenária da CEP que, em Fátima, entre 08 e 11 de abril, vai analisar a proposta do Grupo VITA com procedimentos para indemnização financeira de vítimas de abusos sexuais no seio da Igreja Católica em Portugal.

A proposta foi entregue à CEP em 19 de fevereiro, tendo, "muito recentemente", o Grupo VITA recebido "uma proposta por parte da CEP, com algumas alterações e sugestões".

"O Grupo VITA encontra-se a analisar esta situação e dará o seu 'feedback' à CEP antes do início da Assembleia. A nossa expectativa é que nesta reunião [a realizar em Fátima a partir de segunda-feira] se chegue a um consenso e que o processo possa iniciar-se pouco tempo depois", acrescentou Rute Agulhas, considerando ser ainda "prematuro referir os critérios que devem ser tidos em conta", mas confirmando informações anteriores de que é proposto pela estrutura que lidera "um modelo de análise casuística".

Rute Agulhas adiantou que o Grupo VITA tem mantido contacto com as Comissões Diocesanas e Castrense de Proteção de Menores e Adultos Veneráveis "quase diariamente e por vários motivos, desde o processo de escuta das vítimas, o encaminhamento das situações, a análise de situações concretas que surgem relativamente aos processos em acompanhamento, as ações de formação ou o planeamento do Roteiro de formação pelas Dioceses do país [que irá iniciar-se a 16 de abril, em Évora]".

"É um contacto de proximidade", sublinhou.

Em fevereiro, numa nota do Conselho Permanentes da CEP, foi indicado que "a Igreja Católica em Portugal continua a manifestar a sua total disponibilidade para acolher e escutar as vítimas a quem foram infligidas tão duras vivências, através do Grupo VITA, das Comissões Diocesanas ou de encontros diretos com bispos em cada uma das dioceses, e reafirma a sua firmeza na implementação de uma cultura de proteção e cuidado das crianças, jovens e adultos vulneráveis no âmbito eclesial, contribuindo também para o diálogo sobre a violência sexual de crianças na sociedade em geral".

Além da questão das indemnizações às vítimas de abuso sexual, que vai marcar a reunião, o episcopado católico vai também preparar duas notas pastorais, uma sobre os 50 anos do 25 de Abril de 1974, e outra sobre o 5.º Congresso Eucarístico Nacional, que começará em Braga no final de maio.

Durante os quatro dias de reunião, a CEP vai também debruçar-se sobre o relatório referente ao processo sinodal na Igreja, tendo em conta a reunião magna que decorrerá em outubro no Vaticano, bem como a visita Ad Limina que os bispos portugueses farão ao Vaticano entre 20 e 24 de maio.

A preparação do Jubileu do próximo ano e o relatório de contas de 2023 do Secretariado-Geral da CEP são outros assuntos que os bispos debaterão em Fátima.

Os trabalhos começam na tarde de segunda-feira, com uma intervenção do presidente da CEP, José Ornelas.

Leia Também: Igreja Católica quer vocações no centro da discussão, sem tabus

Recomendados para si

;
Campo obrigatório