Meteorologia

  • 22 ABRIL 2024
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 27º

Bastonário duvida da previsão do Governo e lembra vagas por preencher

O bastonário da Ordem dos Médicos duvida das projeções do Governo de que a partir de 2026 haverá excesso de médicos de família, lembrando que estas estimativas não consideram as rescisões nem os que não ficam no SNS.

Bastonário duvida da previsão do Governo e lembra vagas por preencher
Notícias ao Minuto

13:11 - 01/03/24 por Lusa

País Ordem dos Médicos

um modelo muito teórico. (...) Uma coisa é o número de médicos de família que se formam em Portugal, mas outra coisa é o número de médicos de família que são contratados para o Serviço Nacional de Saúde (SNS)", afirmou Carlos Cortes.

O bastonário falava à Lusa a propósito das projeções do Ministério da Saúde, hoje divulgadas pelo jornal Público, de que, após anos de carência, a falta de médicos de família começa a atenuar-se já no próximo ano e que, a partir de 2026, haverá excesso destes profissionais.

Carlos Cortes lembrou que, nos últimos anos, nem todas as vagas que vão a concurso são ocupadas.

"O modelo que foi divulgado hoje tem como pressuposto que todos os médicos de família que se formam entram para o Serviço Nacional de Saúde. Ora isso não acontece", disse o responsável, destacando ainda as rescisões como outro fator não considerado pelas projeções do Governo.

Carlos Cortes destacou ainda que, "os centros de saúde e os médicos [de família] estão sob pressão permanente" por causa das listas de utentes a cargo de cada profissional.

"Têm desde há demasiados anos listas de utentes sobrelotadas. Muitos médicos têm mais de 2.000 utentes, em média, as USF [Unidades de Saúde Familiar] têm 1.750 utentes quando as recomendações para serem prestados cuidados de saúde de qualidade dizem que o médico de família deverá ter cerca de 1.550 utentes", afirmou.

Carlos Cortes disse ter "muitas dúvidas" de que daqui a dois anos possa haver excesso de médicos de família e sublinha que o que pode acontecer é ter a possibilidade de haver mais entradas para o SNS "se o Ministério da Saúde desenvolver os mecanismos adequados".

A este propósito, o responsável questionou: "O que é que até ao dia de hoje foi feito para os perto de 400 médicos de família que vão agora tornar-se médicos especialistas, em março/abril?"

O bastonário disse ainda que se a Direção Executiva do SNS estivesse preocupada e interessada em contratar estes profissionais "já tinha desenvolvido um conjunto de mecanismos, nomeadamente a identificação dos lugares para eles serem colocados, para poderem ter uma perspetiva de colocação quando tiverem de escolher a sua especialidade, imediatamente depois do seu exame final".

Duvidando das estimativas hoje divulgadas, afirmou ainda: "Tendo em conta o número de médicos que se reformam, nós vamos atingir um ponto de equilíbrio nos próximos anos. Mas é preciso resposta aos 1,7 milhões [de utentes sem médico de família], um valor que pode baixar para 1,4 milhões com a limpeza das listas".

Leia Também: "Preocupante". Carlos Cortes visita hospital de Cascais na quarta-feira

Recomendados para si

;
Campo obrigatório