Meteorologia

  • 18 ABRIL 2024
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 25º

Autarca de Vila Real considera desajustado novo horário da carreira aérea

O presidente da Câmara de Vila Real disse que "claramente desagrada e parece desajustado" o novo horário da carreira aérea que liga Bragança a Portimão, com menos voos e até dois dias sem o serviço.

Autarca de Vila Real considera desajustado novo horário da carreira aérea
Notícias ao Minuto

09:39 - 01/03/24 por Lusa

País Vila Real

"Estranhamente e ao contrário daquilo que era a minha expectativa, fui confrontado com um horário que não era a manutenção integral daquilo que era o compromisso, isto é, entre a adjudicação do novo concurso e o final da concessão que estava a ser cumprida, há um horário e um escalonamento de voos que claramente nos desagrada e claramente nos parece desajustado", afirmou Rui Santos, presidente socialista do município, que falava na Assembleia Municipal de Vila Real que decorreu na quinta-feira à noite.

A operadora Sevenair introduziu na quinta-feira um novo horário na ligação aérea Bragança, Vila Real, Viseu, Cascais e Portimão, que estará disponível até 07 de junho, medida tomada após um ajuste direto de 750 mil euros do Governo enquanto decorre um novo concurso público internacional para a concessão do serviço.

Segundo a empresa, neste novo horário os voos de segunda e sexta-feira são feitos em todas as escalas, às terças e quintas-feiras os voos são diretos entre Bragança e Cascais e aos sábados não há escala em Vila Real.

Às quartas-feiras e domingos não há voos.

Até agora os voos eram feitos de forma regular entre Bragança e Portimão, com paragem em Vila Real, Viseu e Cascais.

O autarca disse que vai indagar sobre o porquê desta alteração, mostrando-se convencido que "é uma guerra entre o operador e o Estado".

E garantiu que a partir de 10 de março, dia de eleições legislativas, "seja quem for o Governo, seja quem for o ministro, seja quem for quem tenha responsabilidades", vai agir no sentido de que os horários sejam retomados, enquanto o concurso internacional não for adjudicado.

O contrato da concessão do serviço de transporte aéreo regular Bragança/Vila Real/Viseu/Cascais/Portimão terminou na quarta-feira (28 de fevereiro).

Na semana passada, fonte oficial do gabinete do secretário de Estado Adjunto e das Infraestruturas disse à agência Lusa que o Governo e a empresa prestadora do serviço, a Sevenair, "encontraram uma solução contratual transitória" para evitar a interrupção da ligação aérea a partir de quinta-feira (29 de fevereiro).

Em fevereiro, o Governo autorizou a despesa de 13,5 milhões de euros para a adjudicação em regime de concessão do serviço aéreo regular que liga Trás-os-Montes ao Algarve por quatro anos.

A carreira aérea que então ligava Trás-os-Montes a Lisboa foi interrompida em 2012 e retomada em 2015 com o alargamento dos voos até ao Algarve, com passagem por Viseu e Cascais.

Rui Santos lembrou precisamente a suspensão do serviço durante o Governo de Pedro Passos Coelho e salientou a "boa hora" em que a situação se conseguiu resolver, embora critique que a escala tenha passado para Tires (Cascais), em vez do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, como acontecia anteriormente a esta suspensão.

"Há a garantia, pelo menos se são houver mudança na estratégia governamental, de que nos próximos quatro anos haverá linha aérea, por isso penso que, no fundamental, temos boas notícias", sublinhou.

Na Assembleia Municipal, o PSD e o CDS apresentaram uma moção, que foi rejeitada pela maioria PS, em que apelavam ao primeiro-ministro, António Costa, para que, "no uso das suas competências e dentro da celeridade possível, possa reverter esta decisão, impondo o regresso do serviço da linha aérea nas mesmas condições às que se verificavam até ao dia 28 de fevereiro de 2024".

Leia Também: Conduzia sem carta, com droga e arma proibida. Ocupante também foi detida

Recomendados para si

;
Campo obrigatório