Meteorologia

  • 20 ABRIL 2024
Tempo
19º
MIN 15º MÁX 23º

"Indícios de interferência externa" em anúncios 'on-line' contra PS e PSD

Investigadores do MediaLab do ISCTE detetaram, pela primeira vez, "indícios de interferência externa nas eleições em Portugal", com anúncios 'on-line', um acusando o PS de corrupção e outro lembrando os cortes do PSD durante a 'troika'.

"Indícios de interferência externa" em anúncios 'on-line' contra PS e PSD
Notícias ao Minuto

12:45 - 28/02/24 por Lusa

País MediaLab

Estes indícios foram recolhidos pela equipa do MediaLab do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e a Empresa (ISCTE-IUL) durante uma pesquisa sobre as eleições nas redes sociais e os processos de desinformação na fase pré-eleitoral para as legislativas de 10 de março, em parceria com a agência Lusa.

Até hoje, nunca se tinha detetado qualquer indício claro de interferência externa direta em eleições portuguesas, segundo a equipa de investigadores do MediaLab, coordenada por Gustavo Cardoso e José Moreno. Esta equipa acompanha a comunicação sobre eleições nas redes e nos media sociais em Portugal desde 2019.

A investigação do MediaLab centrou-se em dois casos - um do PS e outro do PSD.

O primeiro envolve um canal do Youtube, 'Bolsonaristas em Portugal', um anúncio pago através da rede Google, com um vídeo de oito segundos, distribuído em vários 'sites' portugueses, incluindo páginas 'on-line' de jornais. Começou a circular em 22 de fevereiro, mas, entretanto, deixou de estar disponível.

Segundo o MediaLab, o anúncio acusava dirigentes do PS de corrupção, era ilustrado com fotografias de José Sócrates e António Costa e com títulos descontextualizados dos jornais Eco e Público. "Uma estratégia habitual na produção de conteúdos desinformativos", dizem os investigadores.

O vídeo circulou desde 22 de fevereiro e remetia para um canal de YouTube chamado 'Bolsonaristas em Portugal'.

Uma verificação feita pelos investigadores do ISCTE, recorrendo a ferramentas de despistagem da própria Google, aponta para uma empresa aparentemente com sede no Estado norte-americano de Delaware, chamada Nekoplay LLC, e, segundo dados públicos do centro de transparência de anúncios da Google, esta dedica-se sobretudo a anúncios ligados à indústria de jogos.

A Lusa tentou localizar a Nekoplay LLC, mas verificou que os seus contactos remetem para uma outra, sedeada em Las Vegas, que é um mero "agente de receção e registo de documentação".

A pesquisa do MediaLab permitiu no entanto detetar que o nome da Nekoplay LLC. surge também associado a conteúdos políticos e desinformativos em Singapura, Roménia e Panamá que, tal como Portugal, têm eleições em 2024.

Até ao momento, os investigadores consideram que "não há qualquer ligação aparente a alguma força política portuguesa" e que "tudo remete para o exterior de Portugal", ou seja, "um ato de influência externa em período eleitoral".

O facto de a propriedade do anúncio ser alegadamente de uma empresa num paraíso fiscal (o estado americano de Delaware é um paraíso fiscal) e de esta surgir associada a outros casos ligados a desinformação, envolvendo outros países, bem como a assinatura do anúncio do canal como 'Bolsonaristas em Portugal', também "remete para o exterior de Portugal", dizem.

Gustavo Cardoso e José Moreno alertam que este tipo de prática desinformativa, "em particular as de influência estrangeira, procuram, acima de tudo, criar dúvidas na população, mais do que fazer acreditar em qualquer coisa".

O segundo caso envolve também um vídeo de campanha, desta vez não identificado, detetado por vários utilizadores das redes X (ex-Twitter) e Reddit, e que também circulou no Youtube.

É um vídeo, com "uma produção cuidada", de acordo com os investigadores, que recorda "os cortes do tempo da 'troika e os atribui ao PSD", da autoria de um canal chamado "Jovens por Portugal" e foi exibido, antes de ser retirado, 135 mil vezes. Tanto o vídeo como o canal do Youtube encontram-se suspensos, segundo o MediaLab.

Uma porta-voz da Google citada pelos investigadores afirmou que, quando os anúncios não cumprem as regras definidas pela plataforma, "são tomadas medidas para os remover". E as regras da definem que os anúncios "só poderão ser apresentados se o anunciante for verificado pela Google".

Os dois anúncios foram desativados 48 horas depois de começarem a circular.

Leia Também: Montenegro atingido com tinta verde na Bolsa de Turismo de Lisboa

Recomendados para si

;
Campo obrigatório