Meteorologia

  • 12 ABRIL 2024
Tempo
26º
MIN 15º MÁX 27º

Portugal celebra 65 anos em missões de paz com exposição em Nova Iorque

Portugal inaugurou em Nova Iorque uma exposição que celebra 65 anos de participação em missões e operações de paz da ONU, consideradas pelo Governo como "uma pedra angular da política externa e de defesa" do país.

Portugal celebra 65 anos em missões de paz com exposição em Nova Iorque
Notícias ao Minuto

07:41 - 27/02/24 por Lusa

País ONU

A mostra foi apresentada na segunda-feira a dezenas de pessoas na sede da ONU, em Nova Iorque, pela embaixadora de Portugal junto à organização, Ana Paula Zacarias, e pela ministra da Defesa, Helena Carreiras, que disse à Lusa que se trata de "uma data importante, num momento em que as crises e os conflitos se adensam no mundo".

"Nestes 65 anos, participámos numa grande variedade de missões, sendo que Portugal se tornou um país em que as suas Forças Armadas se tornaram expedicionárias a partir de meados dos anos 1990. Essa foi uma das mais importantes transformações na natureza das missões militares", recordou a ministra.

"Nunca deixando de estar presente em missões das Nações Unidas, passámos a estar também presentes em missões da NATO, missões da União Europeia. Participámos em todas as missões da União Europeia em África, por exemplo, sempre com uma perspetiva de segurança a 360 graus, que é o que caracteriza a nossa intervenção militar externa, que é um pilar importante da política externa portuguesa, mas é também uma dimensão fundamental da experiência e do trabalho dos nossos militares, além de tudo que vão fazendo internamente", acrescentou.

A exposição percorre, entre imagens e textos explicativos, a participação de Portugal no universo das Nações Unidas do ponto de vista da manutenção da paz, desde o Grupo de Observação das Nações Unidas no Líbano (UNOGIL), em 1958, passando pela Missão de Estabilização Multidimensional Integrada das Nações Unidas na República Centro-Africana, a qual Portugal passou a integrar a partir de 2017.

"Do Líbano a Timor-Leste, da Bósnia a Angola e Moçambique, da Colômbia à República Centro-Africana, as forças de manutenção da paz portuguesas têm sido fundamentais para a prossecução e consolidação da paz, no estrito respeito pelos valores e objetivos da Carta das Nações Unidas", pode ler-se na exposição.

Desde a adesão à ONU, Portugal disponibilizou 20.126 militares e elementos das forças de segurança, segundo dados do Ministério da Defesa.

"É, de facto, uma participação muito relevante desde o ponto de vista quantitativo, mas sobretudo da mais-valia que trazemos, penso eu, à manutenção de paz e às próprias Nações Unidas, pela forma como temos estado nestas missões: com grande sentido de envolvimento, de participação e com grande qualificação, participando no sucesso destas missões", defendeu Helena Carreiras, em declarações à Lusa na sede da ONU. 

Além da ministra e da embaixadora junto à ONU, esteve também na inauguração o general José Nunes da Fonseca, chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas.

A inauguração da exposição acontece num momento em que Portugal tem em curso uma campanha para membro não-permanente no Conselho de Segurança da ONU.

A eleição em causa para o Conselho de Segurança - um dos órgão mais importantes das Nações Unidas, cujo mandato é zelar pela manutenção da paz e da segurança internacional - acontece em 2026, para o biénio 2027/2028.

Portugal tem como adversários diretos a Alemanha e a Áustria, numa disputa pelos dois lugares de membros não-permanentes atribuídos ao grupo da Europa Ocidental e Outros Estados.

De acordo com Helena Carreiras, esta exposição é um "elemento importante para dar a conhecer o papel de Portugal e aquilo que tem feito em prol da segurança e da estabilidade internacionais".

"O conhecimento do nosso trabalho será um elemento importante também dessa campanha para sermos membros não-permanentes no Conselho de Segurança", sustentou a responsável pela pasta da Defesa. 

A candidatura foi formalizada em janeiro de 2013 e as eleições para o mandato realizam-se durante a 81.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, em 2026, ano em que António Guterres termina o segundo mandato de cinco anos como secretário-geral da ONU.

Portugal já foi membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU por três vezes: em 1979-1980, 1997-1998 e 2011-2012.

MYMM // CAD

Lusa/Fim

Recomendados para si

;
Campo obrigatório