Meteorologia

  • 22 ABRIL 2024
Tempo
19º
MIN 14º MÁX 27º

Arranca 'Professores na campanha' com ações em Viana do Castelo e Braga

Os docentes arrancam hoje com ações de rua que vão decorrer durante toda a campanha eleitoral até às eleições legislativas de 10 de março para dar visibilidade às suas reivindicações para a próxima legislatura.

Arranca 'Professores na campanha' com ações em Viana do Castelo e Braga
Notícias ao Minuto

06:53 - 26/02/24 por Lusa

País Professores

A iniciativa partiu da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) que decidiu lançar uma ação de rua intitulada "Professores na campanha" e que irá decorrer em todas as capitais de distrito e regiões autónomas ao longo dos 10 dias úteis da campanha eleitoral.

De norte para sul, em dois distritos por dia, sempre às 10h00 e às 15h00, os professores vão concentrar-se em plenários e fazer circular quatro petições (que já reúnem as assinaturas necessárias para serem discutidas na próxima legislatura): sobre carreiras, precariedade, condições de trabalho e aposentações.

Hoje, as concentrações serão em Viana do Castelo, de manhã, e em Braga, durante a tarde.

O tema deste primeiro dia será o das condições de trabalho dos docentes, onde "relevam os abusos e ilegalidades nos horários de trabalho, a sobrecarga de trabalho burocrático ou o excessivo número de alunos por turma", sublinha a Fenprof em comunicado.

Em reuniões internas desde o dia 01, os sindicatos da Fenprof aprovaram uma posição sobre as eleições legislativas, na qual consideram desejável que não haja uma maioria absoluta e consideram "muito negativo" um eventual crescimento da extrema-direita.

Os sindicatos da federação aprovaram um caderno reivindicativo para entregar aos partidos políticos, que fixa objetivos além da recuperação do tempo de serviço.

A valorização da profissão, o reforço dos recursos da escola pública e o aumento do financiamento público da educação são as grandes linhas do documento.

Atualizar os salários, eliminar a precariedade, regularizar os horários, criar regimes específicos de aposentação e de mobilidade por doença e assegurar o respeito pelos direitos sindicais voltam a ser algumas das principais reivindicações.

Leia Também: Professores são-tomenses exigem salário mínimo de 400 euros

Recomendados para si

;
Campo obrigatório