Meteorologia

  • 17 ABRIL 2024
Tempo
27º
MIN 14º MÁX 28º

Costa em Paris para reunião de líderes sobre apoio contínuo à Ucrânia

O primeiro-ministro, António Costa, participa hoje, em Paris, numa reunião de alto nível para apoio contínuo à Ucrânia convocada pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, quando se assinalam dois anos do início da invasão russa.

Costa em Paris para reunião de líderes sobre apoio contínuo à Ucrânia
Notícias ao Minuto

06:16 - 26/02/24 por Lusa

País Ucrânia

Dois dias depois de se terem assinalado os dois anos da invasão russa do território ucraniano e numa altura em que a Ucrânia corre risco de ficar sem liquidez no final de março, Emmanuel Macron convocou uma reunião de alto nível para "analisar os meios disponíveis para reforçar a cooperação entre os parceiros no apoio à Ucrânia", segundo a Presidência francesa.

Contando com líderes ou representantes de países da União Europeia (UE) e de outros, a ocasião servirá para "estudar os meios disponíveis para reforçar a cooperação entre os parceiros que apoiam a Ucrânia", adiantou o Eliseu.

Na reunião, que começa ao final da tarde e se deve estender para jantar, Portugal estará representado pelo chefe de Governo, António Costa.

No sábado, aquando do segundo aniversário da guerra, o primeiro-ministro português afirmou que Portugal estará ao lado da "resistência heroica" do povo e das forças armadas ucranianas pelo tempo que for necessário, até que seja alcançada uma paz justa e duradoura.

Nos últimos dias, vários governos europeus insistiram na necessidade de fornecer equipamento militar e financiamento à Ucrânia.

O encontro de de hoje surge depois de, no início de fevereiro, numa cimeira europeia extraordinária em Bruxelas, os líderes da UE terem chegado a acordo sobre a revisão do Quadro Financeiro Plurianual 2024-2027 para incluir uma reserva financeira de 50 mil milhões de euros (dos quais 17 mil milhões de euros em subvenções) para os próximos quatro anos para a Ucrânia, mobilizados consoante a situação no terreno.

Para esse acordo foi crucial um retrocesso por parte da Hungria, que ameaçou durante várias semanas vetar esta reserva financeira para a Ucrânia por contestar a suspensão de verbas comunitárias a Budapeste.

O retrocesso de Budapeste para a UE avançar com esta reserva financeira foi possível através da inclusão, nas conclusões da cimeira europeia, de um parágrafo que prevê discussões anuais sobre o mecanismo para a Ucrânia e, "se necessário", a possibilidade de a Comissão Europeia avançar com a revisão, isto no quadro de um "novo Quadro Financeiro Plurianual".

Foi ainda adicionado outro parágrafo, que indica que "o Conselho Europeu recorda as suas conclusões de dezembro de 2020 sobre a aplicação do mecanismo de condicionalidade", na base do qual se prevê o respeito pelo Estado de direito para obtenção de fundos comunitários.

A ofensiva militar russa no território ucraniano, lançada a 24 de fevereiro do ano passado, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Os aliados ocidentais da Ucrânia têm fornecido armas a Kyiv e aprovado sucessivos pacotes de sanções contra interesses russos para tentar diminuir a capacidade de Moscovo de financiar o esforço de guerra.

Leia Também: "Alguém preparado". Costa elogia Pedro Nuno Santos em tempo de antena

Recomendados para si

;
Campo obrigatório