Meteorologia

  • 19 ABRIL 2024
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 21º

'Pellets'? Novas fábricas devem obter parecer da tutela, diz Zero

Os projetos para novas fábricas de 'pellets' ou expansão de unidades já existentes devem depender de um parecer vinculativo da tutela, defendeu hoje a associação Zero, alegando que aquela indústria está a levar ao declínio "insustentável" do pinheiro-bravo.

'Pellets'? Novas fábricas devem obter parecer da tutela, diz Zero
Notícias ao Minuto

19:06 - 25/02/24 por Lusa

País Associação Zero

Em comunicado, a Zero exige que o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) tenha um parecer vinculativo nesta matéria, uma vez que a indústria dos 'pellets'- produto resultante de resíduos de madeiras -, é um dos motores do "aumento alarmante das extrações em área florestal".

O barómetro anual sobre a indústria dos 'pellets' 2023/2024 em Portugal, elaborado pela associação ambientalista, apresenta "dados muito preocupantes ao nível da utilização de troncos de árvores que continuam a colocar em causa a sustentabilidade na utilização de madeira na indústria para a produção de produtos de maior valor acrescentado".

De acordo com a Zero, o aumento de extrações em área florestal tem contribuído para o "declínio dramático observado nos povoamentos de pinhal nas últimas décadas, uma vez que o pinheiro-bravo é a principal espécie usada pelos produtores e a maior parte da matéria-prima provém de operações florestais".

Segundo a associação, o uso de fontes secundárias de matéria-prima para o fabrico de 'pellets', como os subprodutos de serração, constitui apenas cerca de 25%, ou seja, uma "pequena fração" da matéria-prima que abastece as unidades de fabrico.

Em Portugal existem seis fábricas de 'pellets', com uma capacidade de produção unitária superior a 100.000 toneladas por ano, o que corresponde a uma capacidade total instalada superior a 760.000 toneladas anuais.

"A enorme procura de madeira pela indústria de 'pellets' está a contribuir para o declínio acentuado dos povoamentos de pinheiro-bravo em Portugal e as dificuldades de abastecimento de madeira a esta escala estão a levar ao encerramento de algumas fábricas de grandes dimensões", refere a Zero.

De acordo com a Zero, algumas receberam apoios públicos para a sua instalação, como a ATGreen - que era até ao momento a maior fábrica de Portugal -, e a Futerra Fuels, em Valongo, no distrito do Porto, sendo que ambas funcionaram durante pouco mais de um ano.

A Zero especifica que a produção de 'pellets' em Portugal em 2022 exigiu cerca de 1,4 milhões de toneladas de madeira, sendo que esta indústria continua a ser o segundo maior consumidor de pinho, representando 20% do consumo total.

Em 2022, foram produzidas cerca de 750.000 toneladas de 'pellets' de madeira, valor que em comparação com o ano de 2011 corresponde a uma redução de 11,8%, refletindo uma tendência observada em toda a União Europeia (UE), prossegue a nota informativa da associação.

Esta diminuição deve-se à queda da procura nos setores da energia industrial e do aquecimento doméstico, devido ao aumento de preços associados à guerra na Ucrânia, e, por outro lado, pela concorrência por matérias-primas escassas em Portugal, em particular pela rolaria de pinho, refere ainda.

Embora os operadores de fábricas de 'pellets' de madeira afirmem que apenas utilizam biomassa residual na sua produção, as fichas técnicas das unidades constantes no barómetro anual da Zero mostram que "grandes volumes de rolaria e troncos de árvores inteiras estão a ser ou foram recentemente utilizados em todas as grandes fábricas" da zona centro do país.

Segundo a associação ambientalista, no total, cerca de 300.000 toneladas de 'pellets' portugueses foram queimados em centrais elétricas no norte da Europa em 2022 - cerca de 40% da produção nacional -- sendo o Reino Unido e a Dinamarca os principais mercados de exportação.

A Zero condena o facto de que a queima de biomassa em centrais elétricas na Europa seja "fortemente subsidiada" com apoios para energias renováveis, situação que, considera, está "a subsidiar indiretamente" os produtores de 'pellets' em Portugal.

"Fica a questão sobre o porquê de existir financiamento público para estas indústrias sem qualquer avaliação da disponibilidade de matéria-prima", conclui a associação.

Leia Também: Mais de 204 milhões pagos hoje aos setores agroflorestal e das pescas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório