Meteorologia

  • 21 JULHO 2024
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 25º

Homem que ameaçou de morte GNR vê pena reduzida por estar "embriagado"

Tribunal da Relação do Porto considera que "uma ameaça de morte proferida por uma pessoa visivelmente embriagada [...] não terá o mesmo impacto que teria essa mesma ameaça proferida por uma pessoa sóbria".

Homem que ameaçou de morte GNR vê pena reduzida por estar "embriagado"
Notícias ao Minuto

10:34 - 22/01/24 por Notícias ao Minuto

País Santa Maria da Feira

O Tribunal da Relação do Porto revogou o crime de resistência e coação sobre funcionário a que foi condenado, pelo Tribunal de Santa Maria da Feira, um homem que conduzia alcoolizado e que ameaçou dois militares da Guarda Nacional Republicana (GNR) após um acidente.

De acordo com o acórdão de 6 de dezembro, publicado em dezembro e hoje noticiado pelo Jornal de Notícias, o caso remonta a 3 de outubro de 2020. O homem conduzia com uma taxa de alcoolemia de 2,37 g/l, quando se viu envolvido num acidente.

A confusão instalou-se depois de este, mesmo ferido, ter recusado assistência hospitalar. Perante a insistência dos bombeiros para que fosse ao hospital, o condutor ameaçou os militares, após vários insultos: "Eu f…-vos se me tocarem. Já decorei as vossas caras e estão f… comigo".

Perante isto, a 2 de junho de 2023, o Tribunal de Santa Maria da Feira condenou o ex-emigrante a uma pena de um ano e 10 meses de prisão suspensa, assim como uma multa de 511 euros e proibição de conduzir veículos motorizados pelo período de oito meses, por um crime de condução perigosa, dois de injúria agravada - a um dos militares e ao outro condutor envolvido no acidente - assim como a um crime de resistência e coação sobre funcionário.

Sentença esta que o arguido não concordou e recorreu, alegando que foi mantido numa cadeira de rodas para ser transportado contra a sua vontade para o hospital e negando qualquer "violência ou ameaça grave".

Algo que a Relação do Porto acabou por concordar parcialmente, uma vez que consideraram que "uma ameaça de morte proferida por uma pessoa visivelmente embriagada, exalando forte odor a álcool e de postura bamboleante, a par de verborreica, não terá o mesmo impacto que teria essa mesma ameaça proferida por uma pessoa sóbria".

Por essa razão, os juízes desembargadores decidiram reduzir a pena do arguido para um ano e quatro meses de prisão.

[Notícia atualizada às 15h58]

Leia Também: GNR deteve quase 330 pessoas (só) durante a última semana

Recomendados para si

;
Campo obrigatório