Meteorologia

  • 24 FEVEREIRO 2024
Tempo
15º
MIN 10º MÁX 15º

Bispo acompanha crise política nos Açores com "preocupação"

Com eleições legislativas regionais antecipadas no horizonte, decorrentes do chumbo do Orçamento Regional para 2024 pela Assembleia Legislativa dos Açores, o bispo diocesano acompanha a situação "com alguma preocupação", porque a instabilidade tem sempre repercussão no quotidiano dos açorianos.

Bispo acompanha crise política nos Açores com "preocupação"
Notícias ao Minuto

06:48 - 10/12/23 por Lusa

País Armando Esteves Domingues

Porém, Armando Esteves Domingues faz questão de desdramatizar, por acreditar que "este é o caminho normal dos homens e das instituições.

"A estabilidade é sempre muito, muito importante, mas a estabilidade também tem de ser, não a curto prazo... Olho com alguma preocupação, mas também sei que nos Açores há muito boa gente capaz de refletir e de falar e de levar as preocupações comuns para a frente", diz o bispo em entrevista conjunta à agência Lusa e agência Ecclesia, acrescentando que tem descoberto "nos agentes públicos, e mesmo nos agentes partidários, nos responsáveis, gente de um valor enorme".

Assim, mostra-se convicto de que "os Açores, à parte os diferentes políticos e as hipotéticas quedas de governo, mudanças de governo, vão encontrar formas de continuar a progredir e a levar o melhor para as populações para a frente".

Apesar desta confiança, olha para a situação social de algumas zonas dos Açores, para, no âmbito da atividade da Igreja defender a "descentralização, desburocratização, ou começar a partir das bases, começar de baixo e dizer [que] cada comunidade deve cuidar dos seus pobres".

"A diaconia [o serviço aos outros], este serviço primário, tem de estar na preocupação da comunidade que existe na paróquia, que é aquela célula que depois pode ser uma zona. Nem todas as paróquias têm de ter todos os aspetos organizados. O trabalho em rede, o trabalho em colaboração entre paróquias ajuda muito", defende o bispo Armando Esteves Domingues, exemplificando: "eu posso ter catequese bem preparada para quatro ou cinco paróquias. A parte social pode estar numa das quatro ou cinco paróquias e por aí fora".

O bispo não deixa de criticar, porém, os que "se habituam a ter tudo sem trabalhar. A esperar que lhe cheguem os subsídios de graça".

"Eu sempre tive uma grande ânsia de favorecer muito mais a capacitação para a integração, do que propriamente arranjar grandes subsídios que mantêm pessoas. E aqui, a Igreja acho que tem muito a ensinar, porque o Evangelho é não só uma resposta espiritual, mas também uma resposta à pessoa toda, Jesus Cristo inteiro, à pessoa toda nos seus contextos", afirma.

Os problemas sociais nos Açores são visíveis, principalmente nos ambientes mais populacionais, como é o caso de Ponta Delgada, onde há o registo de vários sem-abrigo.

Quanto à situação das Instituições Particulares de Solidariedade Social, Armando Esteves Domingues garante que nos Açores a situação é um bocadinho diferente da do continente, onde os alertas quanto à sua sustentabilidade têm sido frequentes.

O Governo Regional "tem uma consciência de que sem as IPSS é muito difícil responder aos problemas reais. Por exemplo, quando é preciso construir um edifício, o Governo comparticipa devida e honradamente, digamos assim", sublinha.

"Não está fácil para ninguém, sobretudo por causa da questão dos juros, por causa do aumento do ordenado mínimo, justo o aumento, mas que vem criar dificuldades. Porém, devo dizer, conhecendo a realidade do continente, mesmo assim, nós não nos podemos queixar tanto quanto no continente", faz questão de frisar o bispo de Angra.

Problema que está a aumentar no arquipélago prende-se com a especulação imobiliária, decorrente do aumento do turismo, e que faz com que "quem tem dinheiro compra (...) e as pessoas locais começam a não ter casa".

"Há especulação imobiliária, mas não há casas disponíveis, não há apartamentos disponíveis, as pessoas não conseguem um sítio para viver", frisa o bispo de Angra, embora reconheça que "os Açores sem turismo também não vivem", mas apela ao "equilíbrio entre a necessidade do turismo, (...) se calhar, já como a principal indústria, e o excesso de turistas que pode matar a galinha dos ovos de ouro e trazer sofrimento à população".

Leia Também: Bispo de Angra sublinha religiosidade da diáspora perto dos 500 anos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório