Meteorologia

  • 03 MARçO 2024
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 16º

Ucrânia? Guerra no Médio Oriente não vai fazer com que haja "distrações"

João Gomes Cravinho está em Bruxelas, onde se encontram os seus homólogos europeus, mas também o chefe da diplomacia dos EUA, Antony Blinken, e o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg.

Ucrânia? Guerra no Médio Oriente não vai fazer com que haja "distrações"
Notícias ao Minuto

12:24 - 28/11/23 por Notícias ao Minuto

País João Gomes Cravinho

O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), João Gomes Cravinho, está presente, esta terça-feira, numa reunião em Bruxelas, na Bélgica, onde responsáveis por esta pasta estão reunidos, por forma a reforçar a posição de apoio à Ucrânia e avaliar o desenrolar da situação no Médio Oriente.

No âmbito da guerra na Ucrânia, Gomes Cravinho falou sobre as dificuldades que estão a ser criadas pela Rússia. "A Rússia está a manipular e utilizar extensões antigas nos Balcãs Ocidentais para criar divisões e dificuldades aqui às portas da Europa - temos de ter muita atenção em relação aos Balcãs Ocidentais", afirmou, em declarações aos jornalistas, sublinhando também que são problemas que têm "profundas raízes históricas locais", mas cuja dimensão geopolítica é "muito significativa".

Gomes Cravinho assinalou ainda que a reunião de hoje permitirá assegurar ainda ao MNE ucraniano, Dmytro Kuleba, que a guerra "gravíssima" no Médio Oriente não vai fazer com que haja "distrações" no que diz respeito à importância da Ucrânia. "Seria um erro muito grave que outras circunstâncias internacionais permitissem que nos distraíssemos, porque na Ucrânia joga-se também o futuro da segurança de toda a região euro-atlântica", considerou.

O que se passa na Ucrânia não é menos importante do que era antes de 7 de outubro

O ministro referiu ainda que não acredita que o apoio que os EUA estão a dar em relação ao Médio Oriente afete o apoio à defesa da Ucrânia. "São dois desafios distintos - ambos importantes. Mas o que se passa na Ucrânia não é menos importante do que era antes de 7 de outubro", reforçou.

Questionado pelos gastos dos EUA destinados aos dois conflitos, e sobre o impacto que pode ter na Ucrânia - ou se poderão ser levantadas dúvidas, Cravinho foi taxativo: "Creio que não. Naturalmente, que há um debate interno nos Estados Unidos, temos visto polarização. Mas temos visto também um processo de aproximação entre os diferentes pontos de vista políticos - e acredito que o resultado seja um pacote satisfatório para aquilo que é a nossa expetativa em relação ao empenho dos EUA no Médio Oriente e também na Ucrânia", justificou.

Ainda durante as declarações, Gomes Cravinho falou no futuro, que "passa também por um outro tipo de relação com o sul".

"Portugal tem-se empenhado muito em trazer essa matéria para a atenção dos aliados na NATO - algo que fizemos com sucesso, e que foi consagrado em Vilnius", referiu. De acordo com o MNE, "a expectativa é que em julho do ano que vem será o momento para se definir uma nova abordagem em relação ao sul", algo que Gomes Cravinho acredita ser não só muito significativo para Portugal, "como também para toda a Aliança".

[Notícia atualizada às 13h10]

Leia Também: Ucrânia. NATO confiante que EUA continuarão a apoiar o país

Recomendados para si

;
Campo obrigatório