Meteorologia

  • 17 ABRIL 2024
Tempo
21º
MIN 14º MÁX 28º

"Cunha" para tratar gémeas? CHULN confirma carta de neuropediatras

Em causa está uma reportagem transmitida na sexta-feira pela TVI que refere que o hospital de Santa Maria "abriu uma auditoria para perceber como é que duas gémeas que vivem no Brasil receberam em Lisboa um tratamento de quatro milhões de euros".

"Cunha" para tratar gémeas? CHULN confirma carta de neuropediatras
Notícias ao Minuto

19:52 - 04/11/23 por Notícias ao Minuto com Lusa

País CHULN

O Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) confirmou, este sábado, que recebeu uma carta dos neuropediatras daquele centro hospitalar a propósito do caso de duas bebés luso-brasileiras com atrofia muscular espinhal que receberam tratamento no Hospital de Santa Maria.

Em comunicado a que o Notícias ao Minuto teve acesso, o CHULN adianta apenas "que o caso seguirá a sua tramitação interna".

Em causa está uma reportagem transmitida na sexta-feira pela TVI que refere que o hospital de Santa Maria "abriu uma auditoria para perceber como é que duas gémeas que vivem no Brasil receberam em Lisboa um tratamento de quatro milhões de euros", havendo "suspeitas de que isso tenha acontecido por influência do Presidente da República".

O Presidente da República negou hoje que tivesse intercedido junto do Hospital de Santa Maria, ou de qualquer outra entidade, para que duas crianças brasileiras pudessem beneficiar de tratamentos no Serviço Nacional de Saúde. Segundo o chefe de Estado, o que está em causa é saber "se interferiu, ou não interferiu, isto é, se pediu um empenho, pediu uma cunha para que sucedesse uma determinada solução favorável a uma pretensão de duas crianças gémeas doentes".

"Vendo a reportagem, ninguém aparece a dizer que eu falei com essa pessoa. Ninguém. Diz-se, consta, parece que sim, parece que, parece que havia família [do Presidente] que estava empenhada, por amizade, nisso. Mas ninguém em relação ao Presidente. E só há um Presidente. A família do Presidente não foi eleita, não é Presidente", salientou Marcelo Rebelo de Sousa.

"Se alguém aparece a dizer: olhe, o Presidente falou comigo, achou que, por razões humanas ou razões de outra natureza, se justificava aquilo; se aparecer alguém - que até agora não apareceu -, eu aí não tenho outro remédio senão, eventualmente, ir a tribunal -- não contra a comunicação social, que não é responsável por isso -, para comparar a minha verdade com a verdade dessa pessoa. Não é um dever de defesa da minha honra. É a defesa da honra do Presidente da República", acrescentou.

Segundo disse, o Presidente da República não pode estar sujeito a uma "suspeição de que interfere em decisões da cadeia administrativa, ordenando, recomendando, pedindo, metendo uma cunha para ninguém, muito menos aquilo que possa ser mais próximo de amigos de conhecidos".

Leia Também: "Não falei". Marcelo reitera que não interferiu em tratamento de gémeas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório