Meteorologia

  • 30 MAIO 2024
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 30º

Metro de Lisboa "deveria ser responsabilidade" da Câmara, defende Moedas

O presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, defendeu hoje que o Metropolitano da capital "deveria ser responsabilidade" da autarquia, porque "a mobilidade tem de ser vista sempre no seu conjunto", de forma a poder dar "maior resposta" às pessoas.

Metro de Lisboa "deveria ser responsabilidade" da Câmara, defende Moedas
Notícias ao Minuto

12:32 - 29/09/23 por Lusa

País Carlos Moedas

Questionado pela Lusa à margem do encontro "Comunidades em Ação -- operações integradas metropolitanas", que decorre no Fórum Lisboa, o autarca explicou a posição sobre o Metropolitano de Lisboa que veiculou em entrevista à TSF e ao DN, divulgada hoje.

Csrlos Moedas já tinha pedido ao Governo para ter "pelo menos um administrador" no Metro e "esse pedido não foi respondido" pelo primeiro-ministro, António Costa.

"Não houve aqui nenhuma diferença no meu pensamento", ressalva, quando questionado pela Lusa sobre passar de pedir "um administrador" para ser "acionista a 100%" do Metro.

"Não havendo reação da parte do Governo em relação a haver um administrador, penso que devo lutar por uma solução, que é a solução que faz sentido. Como é que temos um Metro que é tutelado a nível nacional, mas que trabalha no meu território, no nosso território, dos lisboetas?", questiona, recordando: "É o Metro de Lisboa".

Esta mudança na gestão do Metro de Lisboa é "uma questão de estratégia" e, portanto, tem de passar por uma "discussão com o Governo", nota o autarca social-democrata.

"Sei que não vou conseguir de um dia para o outro", reconhece, sublinhando que quer que "os lisboetas" saibam qual é a sua posição.

"Quando [as pessoas] se queixam sobre problemas do Metro têm de ter consciência de que o presidente da Câmara não manda no Metro. Tenho excelentes relações com o Metro, estamos a trabalhar muito bem como o Metro, mas era muito diferente se fosse a Câmara a tutelar o Metro, até para a solução global de mobilidade", acredita.

"O presidente da Câmara acaba por ser o culpado de tudo o que acontece na cidade. (...) É um papel de que gosto muito, porque sou eu que tento resolver, mas tenho de ter instrumentos para resolver [os problemas]. Se eu fosse aquele que tutelava o Metro, poderia resolvê-los, obviamente, doutra maneira", realça.

Carlos Moedas está convicto de que a Câmara de Lisboa "tem capacidade" para gerir o Metro e que essa gestão traria "agilidade nas soluções" e "maior resposta", tendo em conta também que é a autarquia que gere a Carris.

Ora, nesta altura, Lisboa tem uma "mobilidade fragmentada" e não, como se pretende, integrada, distingue.

"Ao termos a Carris de um lado e o Metro do outro, é mais difícil que isso aconteça", frisa.

Leia Também: PCP e PS acusam Moedas de desistir de habitação acessível em Lisboa

Recomendados para si

;
Campo obrigatório