Meteorologia

  • 23 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 14º

DGS vai rever orientação sobre partos. OM pede "cumprimento do protocolo"

Ocorre depois de um pedido de revogação feito pela Ordem dos Médicos (OM) e de uma carta, endereçada, esta terça-feira, pelo bastonário, Carlos Cortes, à diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

DGS vai rever orientação sobre partos. OM pede "cumprimento do protocolo"
Notícias ao Minuto

17:32 - 28/06/23 por Marta Amorim com Ema Gil Pires

País Partos

A Direção-Geral da Saúde (DGS) vai rever a orientação que passou a permitir aos enfermeiros especialistas em Saúde Materna e Obstetrícia internarem grávidas de baixo risco, sem necessidade da presença de um médico obstetra.

Isso ocorre depois de um pedido de revogação feito pela Ordem dos Médicos (OM) e de uma carta, endereçada, esta terça-feira, pelo bastonário, Carlos Cortes, à diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

A notícia foi avançada pelo Observador e confirmada ao Notícias ao Minuto pela Direção-Geral da Saúde, que diz ter tomado "nota da comunicação da Ordem dos Médicos relativa à Orientação sobre Cuidados de saúde durante o trabalho de parto" e que "está em processo de finalização uma versão da Orientação que visa tornar mais clara a atual".

"Esta atualização já incorpora contributos identificados em pronúncia anterior da Direção do Colégio da Especialidade de Ginecologia e Obstetrícia, remetida pelo Bastonário da Ordem dos Médicos, e ainda os contributos de outros parceiros", pode ler-se na resposta enviada. 

Ainda segundo a DGS, foi enviado um ofício na semana passada à Ordem dos Médicos "com as propostas de alterações à Orientação" e, reiteram, "a Ordem dos Médicos é um parceiro fundamental da Direção-Geral da Saúde no desenvolvimento e apoio à implementação de Normas e Orientações de Boas Práticas". 

 O que foi solicitado à DGS é que esse protocolo fosse cumprido corretamente

Segundo Carlos Cortes, bastonário da Ordem dos Médicos, também em declarações ao Notícias ao Minuto, "o que a Ordem dos Médicos solicitou à DGS é o cumprimento integral do protocolo que existe desde 2011 e que está em vigor. Portanto, o que foi solicitado à DGS é que esse protocolo fosse cumprido corretamente. Não o foi nesta orientação, o que levou a que os peritos nomeados pela Ordem tivessem saído dessa comissão"

Agora, refere por fim, foi solicitado à DGS que "crie as condições e o enquadramento do trabalho necessárias para os trabalhos desta comissão poderem continuar e a orientação ter as modificações que os peritos entenderam por bem".

Recorde-se que a Ordem dos Médicos (OM) retirou esta terça-feira a confiança institucional ao médico Diogo Ayres de Campos, que lidera a Comissão de Acompanhamento da Resposta em Urgência de Ginecologia/Obstetrícia e Bloco de Partos da DGS.

Segundo a CNN, numa carta à DGS, a OM alega que a forma como a norma sobre os partos foi aprovada põe em causa a "segurança" das grávidas e dos recém-nascidos e afirma que Diogo Ayres de Campos "ignorou" a opinião dos elementos destacados pela Ordem para integrar o grupo de trabalho que elaborou a norma da DGS sobre os partos.

Já em maio, na altura em que a norma foi aprovada, a OM tinha pedido a sua revogação, apesar de Diogo Ayres de Campos garantir publicamente que o documento tinha reunido o consenso de todos os especialistas.

Recorde-se que Diogo Ayres de Campos foi também recentemente exonerado do cargo de diretor de Obstetrícia, Ginecologia e Medicina de Reprodução do Centro Hospitalar Lisboa Norte, depois de colocar em causa o plano de obras previstos para o serviço e a consequente colaboração com o Hospital de São Francisco Xavier.

Leia Também: Partos? Ordem dos Médicos quer grupo de trabalho com novos protagonistas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório