Meteorologia

  • 05 MARçO 2024
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 16º

Moradores do Parque Eduardo VII querem "fugir" de Lisboa durante as JMJ

A maioria dos moradores que vive junto ao Parque Eduardo VII, em Lisboa, pretende "fugir" da capital durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), por "falta de informação" e por temer que a zona se torne "um caos".

Moradores do Parque Eduardo VII querem "fugir" de Lisboa durante as JMJ
Notícias ao Minuto

08:21 - 28/06/23 por Lusa

País JMJLisboa2023

"O que nós todos estamos a pensar, até porque já temos experiência de eventos no Parque Eduardo VII, é 'dar à sola'. Pelo que tenho falado aqui com os meus vizinhos, muito poucos vão ficar aqui no bairro", disse à agência Lusa a presidente da Associação de Moradores do Bairro do Alto do Parque, Luísa Cadaval de Sousa.

A moradora, com casa no topo do Parque Eduardo VII, na freguesia das Avenidas Novas, explicou que as pessoas que vivem na zona estão preocupadas com a "falta de informação" e temem que, à semelhança do que aconteceu noutros eventos, "seja um caos".

"Isto vai ser caótico. O sentimento geral é que vamos todos embora daqui. Um ou dois dias antes. Não aguentamos", afirmou, lembrando uma "experiência traumática" que os moradores do Alto do Parque tiveram aquando da realização da final da Liga dos Campeões, que se jogou em 2014 (Real Madrid-Atlético de Madrid) no Estádio da Luz, em Lisboa.

Luísa Cadaval de Sousa recordou que, na sequência desse evento, os moradores sofreram com problemas de "lixo, ruído, estacionamento e de falta de produtos de mercearia".

"Nós bem vimos o que foi este parque e este nosso bairro aqui com os espanhóis o dia inteiro a circularem aqui pela rua. Era um evento diferente, mas eram alguns milhares. Agora dizem-nos que é um milhão e meio. Mesmo que venham só quinhentos mil imagine o que é. Eu nem quero imaginar", sublinhou.

Luísa Cadaval de Sousa queixou-se também da "falta de informação", lamentando que nem a Junta de Freguesia, nem a Câmara Municipal de Lisboa tenham informado os moradores acerca dos constrangimentos previstos.

"A nossa expectativa não é nenhuma porque ainda ninguém falou connosco. Aquilo que nós sabemos é pela televisão, pelos jornais, pela Internet", criticou.

No mesmo sentido, o vice-presidente da Associação de Moradores das Avenidas Novas, Paulo Lopes, referiu que quem vive na freguesia apenas quer "perceber aquilo que vai acontecer em termos práticos" e "quais serão os constrangimentos" na zona durante as cerimónias da JMJ previstas para o Parque Eduardo VII.

"Não sinto receio ou medo de que isto seja o fim do mundo, digamos assim. Agora, as pessoas estão preocupadas porque querem saber se vão poder sair de casa, pegar no carro para sair e voltar. Esse nível de preocupação existe, sim. Questões muito práticas", apontou.

Lisboa foi a cidade escolhida pelo Papa Francisco para a próxima edição da Jornada Mundial da Juventude, que vai decorrer entre 01 e 06 de agosto, com as principais cerimónias no Parque Eduardo VII e no Parque Tejo, a norte do Parque das Nações, na margem ribeirinha do Tejo.

A JMJ nasceu por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude.

O primeiro encontro aconteceu em 1986, em Roma, tendo já passado, nos moldes atuais, por Buenos Aires (1987), Santiago de Compostela (1989), Czestochowa (1991), Denver (1993), Manila (1995), Paris (1997), Roma (2000), Toronto (2002), Colónia (2005), Sidney (2008), Madrid (2011), Rio de Janeiro (2013), Cracóvia (2016) e Panamá (2019).

A edição deste ano, que será encerrada pelo Papa, esteve inicialmente prevista para 2022, mas foi adiada devido à pandemia de covid-19.

O Papa Francisco foi a primeira pessoa a inscrever-se na JMJ Lisboa 2023, no dia 23 de outubro de 2022, no Vaticano, após a celebração do Angelus.

Leia Também: JMJ: Mochila, garrafa, terço, camisola e panamá no 'kit' dos peregrinos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório