Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
17º
MIN 13º MÁX 25º

Acórdão do caso de divulgação dos emails do Benfica conhecido na 2ª-feira

O acórdão do processo de divulgação dos emails do Benfica no Porto Canal, que tem como arguidos Francisco J. Marques, Diogo Faria e Júlio Magalhães, é conhecido na segunda-feira, após a sua leitura já ter sido adiada duas vezes.

Acórdão do caso de divulgação dos emails do Benfica conhecido na 2ª-feira
Notícias ao Minuto

09:09 - 10/06/23 por Lusa

País Benfica

Em 27 de março, a leitura do acórdão foi adiada para 12 de maio, devido ao agravamento de alguns dos crimes imputados aos arguidos Francisco J. Marques e Diogo Faria, tendo nessa data sido novamente adiada, sem que fosse divulgado o motivo.

O caso da divulgação dos emails, cujo acórdão deverá ser conhecido na segunda-feira, às 14h00, no Juízo Central Criminal de Lisboa, remonta a 2017 e 2018, com comunicações entre elementos ligados à estrutura de Benfica e terceiros a serem reveladas no programa 'Universo Porto -- da bancada', do Porto Canal, e começou a ser julgado há cerca de seis meses, em 16 de setembro de 2022.

Nas alegações finais, a procuradora do Ministério Público (MP), Ana Pais, pediu a condenação de Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, por três crimes de violação de correspondência não consentida, mas deixou a pena "à consideração do tribunal", atendendo "à ausência de antecedentes criminais" do arguido.

No que se refere a Diogo Faria, diretor de conteúdos do canal dos 'dragões', que responde por crimes de violação de correspondência ou de telecomunicações de acesso indevido, a procuradora considerou que este terá ajudado Francisco J. Marques, mas defendeu que "o tribunal fará a qualificação dos factos".

A representante do MP deixou "à consideração do tribunal" uma eventual condenação de Júlio Magalhães, antigo diretor do Porto Canal, defendendo que este "nunca teve participação direta no conteúdo direto no programa, nunca teve conhecimento antecipado dos emails e não participou na sua seleção".

As defesas dos três arguidos pediram a absolvição, com o advogado de Francisco J. Marques a invocar o interesse público do conteúdo dos emails e a questionar a legitimidade do Benfica para apresentar queixa sobre o caso.

Rui Patrício, advogado do Benfica, assistente no processo, pediu a condenação dos arguidos, considerando que estes foram movidos por interesses relacionados com o FC Porto, mas referiu que Francisco J. Marques, Diogo Faria e Júlio Magalhães tiveram "participações e gravidades diferentes" no caso.

Os advogados de Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica à data dos factos, e de Carlos Deus Pereira, antigo presidente da Mesa da Assembleia Geral da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, ambos assistentes no processo, também pediram a condenação dos arguidos.

Francisco J. Marques está acusado de três crimes de violação de correspondência ou de telecomunicações, três crimes de violação de correspondência ou de telecomunicações agravados, em concurso aparente com três crimes de devassa da vida privada, e um crime de acesso indevido.

O diretor de comunicação do FC Porto responde ainda por cinco crimes de ofensa a pessoa coletiva agravados e um crime de ofensa à pessoa coletiva agravado na sequência de uma acusação particular.

Leia Também: Leitura do acórdão do processo dos emails do Benfica novamente adiada

Recomendados para si

;
Campo obrigatório