Meteorologia

  • 20 JULHO 2024
Tempo
23º
MIN 19º MÁX 27º

Oposição quer reforçar subsídio para doentes oncológicos, PS discorda

Chega, BE, PCP e PAN apresentaram hoje diplomas para reforçar o subsídio de doença para doentes oncológicos, com a bancada PS a afirmar que "esse não é o caminho", alegando várias medidas já em vigor nesta área.

Oposição quer reforçar subsídio para doentes oncológicos, PS discorda
Notícias ao Minuto

19:48 - 06/06/23 por Lusa

País Diplomas

O projeto de lei do Chega prevê o pagamento do subsídio de doença a 100% para doentes oncológicos e para os pais de crianças com essa doença, uma iniciativa que o deputado Jorge Galveias justificou com a necessidade de "garantir que os rendimentos não são cortados quando mais [os doentes] precisam deles, por se encontrarem numa situação de fragilidade".

Apresentados por Inês de Sousa Real, que citou estudos que indicam que o cancro pediátrico afeta 400 crianças e jovens por ano em Portugal, os dois projetos de lei do PAN pretendem o pagamento a 100% do subsídio de doença e do subsídio para assistência aos filhos menores com cancro, assim como o direito de acompanhamento aos jovens internados quando fazem 18 anos.

O diploma do PCP defende o reforço do pagamento do subsídio de doença para as situações de tuberculose e das doenças crónicas, incluindo a oncológica, com a deputada Paula Santos a alertar que esse subsídio deve ser o "instrumento de proteção social dos trabalhadores".

Na prática, segundo a parlamentar do PCP, a iniciativa legislativa da sua bancada prevê a redução para três meses do período de garantia para ter acesso ao subsídio de doença, o aumento do seu montante e o pagamento a partir do primeiro dia de baixa.

Isabel Pires, do grupo parlamentar do BE, referiu estudos nacionais recentes que estimam que, em média, um doente oncológico e a sua família sofrem uma perda anual de rendimentos, após o diagnóstico, de 6.500 euros.

"Fica fácil de perceber que para a maioria das pessoas que têm rendimentos baixos e que têm uma doença crónica, torna-se incomportável sobreviver com os valores atuais da baixa por doença", alegou a deputada do BE, na apresentação do seu diploma, que pretende a majoração do subsídio de doença atribuído a doentes graves, crónicos ou oncológicos.

No debate sobre estes projetos de lei, a deputada socialista Irene Costa alegou que "este não é o caminho", mas sim o que o PS "tem percorrido ao longo dos anos" com consagração nos programas de governo de várias medidas.

"É importante referir que os subsídios de doença crónica e oncológica estão isentos de IRS e de contribuições para a Segurança Social, o que significa que as percentagens de subsídio de doença correspondem, na prática, a um pagamento progressivo que varia entre os 74% e os 95% do ordenado líquido", sublinhou Irene Costa.

Além disso, foram implementadas pelo Governo medidas para os trabalhadores com doença oncológica, adiantou ainda a parlamentar do PS, ao exemplificar com a Agenda do Trabalho Digno, que estabeleceu um "conjunto de avanços nos seus direitos" como o teletrabalho.

Irene Costa recordou ainda o alargamento da licença parental até aos seis anos para os pais com filhos com doença oncológica, que tem associada a atribuição de um subsídio no montante diário de 65% da remuneração do beneficiário.

O deputado do PSD, Rui Cruz, disse que "entende bem a genuína preocupação" das iniciativas legislativas apresentadas, no sentido de proteger o trabalhador e a integridade dos seus salários, mas salientou que o Serviço Nacional de Saúde não é eficaz a responder aos casos oncológicos.

"É este o problema. Os portugueses pagam impostos e suportam uma carga fiscal colossal para financiar um serviço que não os atende com a qualidade e celeridade que merecem, que os devia proteger e salvar vidas", lamentou o parlamentar social-democrata.

Para a Iniciativa Liberal, pela voz de Joana Cordeiro, o pagamento a 100% do subsídio aos pais de crianças oncológicas "pode ser hoje a prioridade, mas tem de ser o início de um processo muito mais abrangente".

"Reforçar a proteção dos pais de crianças doentes não é um mero apoio, mas sim uma obrigação", referiu a deputada liberal, ao defender também que o apoio aos doentes crónicos, oncológicos ou graves deve ser feito com critérios como a duração dos tratamentos e a incapacidade temporária ou permanente.

Rui Tavares, deputado único do Livre, anunciou que está disponível para acompanhar várias das iniciativas legislativas hoje apresentadas, esperando que possam ser afinadas na especialidade.

Recomendados para si

;
Campo obrigatório