Meteorologia

  • 14 JULHO 2024
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 26º

Comerciantes manifestam preocupações com obras na Baixa Pombalina

Comerciantes demonstraram preocupações pelos constrangimentos causados pelas obras na Baixa Pombalina, durante um encontro com o vice-presidente da Câmara de Lisboa, realizado na terça-feira, revelou hoje a União de Associações de Comércio e Serviços (UACS).

Comerciantes manifestam preocupações com obras na Baixa Pombalina
Notícias ao Minuto

20:32 - 03/05/23 por Lusa

País Lisboa

Numa sessão de esclarecimento com Filipe Anacoreta Correia, que tem a tutela da mobilidade, os comerciantes, empresários e dirigentes associativos mostraram preocupação com os constrangimentos causados pelas obras na Baixa e na zona ribeirinha, nomeadamente com a proibição de acesso, entre as 08:00 e as 22:00, de veículos com mais de 3,5 toneladas para cargas e descargas, "que resulta na dificuldade de entrega e abastecimentos de produtos às lojas", destacou, numa nota, a UACS.

Segundo a UACS, Anacoreta Correia considerou necessário "trabalhar num plano de logística ajustado de forma a proteger o comércio e preservar a economia da cidade", que será o tema de uma reunião a realizar entre os comerciantes e a Câmara Municipal para, em conjunto, "reverem e criarem soluções ajustadas, para adequar o horário de cargas e descargas".

A união de associações de comerciantes voltou a recomendar a criação de uma comissão de acompanhamento das alterações de mobilidade em Lisboa e pediu ainda à Câmara que concilie "a calendarização das obras em curso com a vivência e funcionamento da cidade, que não podem ser inviabilizados".

Segundo a UACS, está previsto que as obras da Rua da Prata demorem quatro meses; no caso da Avenida Dom Carlos até ao dia 24 de dezembro; no caso do Plano Geral de Drenagem de Lisboa, em Santa Apolónia o fim das obras deverá ocorrer até ao dia de Natal, "podendo haver alterações de acordo com as características das obras".

No encontro, os comerciantes pediram soluções para atenuar a dificuldade de circulação e de acesso à baixa, que resulta no afastamento dos consumidores, prejudicando o tecido empresarial da cidade.

Sugeriram ainda "que deve ser feita uma clarificação na mensagem de identificação nas plataformas tecnológicas, como o 'WAZE'", para facilitar a circulação na Baixa, apesar das limitações.

O trânsito está condicionado desde 26 de abril, por tempo indeterminado, na zona ribeirinha e Baixa de Lisboa devido a várias obras, sendo sugeridas pela Câmara Municipal alternativas para circular de Alcântara ao Parque das Nações.

Para desviar o trânsito das zonas condicionadas, a Câmara sugere que seja utilizada para atravessamento uma "5.ª Circular", um percurso que parte de Alcântara - Avenida Infante Santo -- Estrela - Avenida Álvares Cabral -- Rato -- Rua Alexandre Herculano - Conde Redondo -- Avenida Almirante Reis - Praça do Chile -- Rua Morais Soares - Praça Paiva Couceiro -- Avenida Mouzinho de Albuquerque - Parque das Nações.

Entre as obras que vão provocar os condicionamentos estão a expansão do metro de Lisboa, a realização do Plano de Drenagem, para evitar situações de cheias na capital, a reabilitação da rede de saneamento e a repavimentação de vias.

Leia Também: Museu do Chiado exibe joalharia com obras de pioneira Kukas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório