Meteorologia

  • 18 JUNHO 2024
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 21º

Atacante mostrou sinais de "desespero". "Não podemos julgar a comunidade"

O suspeito do ataque levado a cabo no Centro Ismaili contactou a associação por via telefónica, informando que "ia procurar um trabalho e não sabia com quem deixar os filhos".

Atacante mostrou sinais de "desespero". "Não podemos julgar a comunidade"

O presidente da Associação da Comunidade Afegã em Portugal, Omed Taeri, revelou, esta terça-feira, às televisões nacionais, que o suspeito do ataque no Centro Ismaili, em Lisboa, mostrava "sinais de ansiedade e desespero", uma vez que "queria alimentar os filhos e o apoio que o Estado português dava não era muito".

Segundo responsável, o homem contactou a associação por via telefónica, informando que "ia procurar um trabalho e não sabia com quem deixar os filhos".

"Indicámos-lhe que deveria de falar com o Centro Ismaili, porque a família veio para Portugal com o Centro Ismaili", justificou Omed Taeri, apontado que a associação não alertou as autoridades competentes do estado de saúde mental do homem porque "quem tinha responsabilidade por esta pessoa era o Centro Ismaili; eles tinham de fazer o seguimento".

O fundador da associação ressalvou, contudo, que a comunidade cumpre a sua “religião da maneira que é, mas o Islão é uma religião de paz”. “Não somos agressivos”, reiterou.

"Não podemos julgar a comunidade inteira por causa de um caso isolado. Vivo aqui há 13, 14 anos e nunca tive problemas como ninguém. Os portugueses que me conhecem sabem como é que sou e ninguém da comunidade afegã teve qualquer tipo de problema”, salientou, reforçando que “este caso é um caso isolado porque este senhor teve problemas psicológicos e, na minha opinião e na opinião dos meus colegas, tinha de ser seguido por um psicólogo para que pudessem entender o motivo".

O atacante, identificado pela SIC como Abdul Bashir, terá vindo “da Grécia para Portugal”, depois de ter perdido a mulher num campo de refugiados naquele país. O ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, confirmou que o homem, "relativamente jovem", tem três filhos menores, de 9, 7 e 4 anos. Foi, depois, "recolocado em Portugal ao abrigo da cooperação europeia, e tratava-se de um cidadão beneficiário do estatuto de proteção internacional", levando uma vida "bastante tranquila".

O ministro apontou ainda que o homem beneficiava do apoio da comunidade ismaelita, no ensino de línguas, no "cuidado alimentar, cuidado com as crianças" e "não tinha qualquer sinalização que justificasse cuidados de segurança".

Leia Também: Tudo o que se sabe sobre o ataque que matou duas mulheres em Lisboa

Recomendados para si

;
Campo obrigatório