Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
25º
MIN 13º MÁX 25º

Ministra da Defesa aguarda análise técnica ao Mondego para se pronunciar

A ministra da Defesa Nacional disse hoje que aguarda pela análise técnica que está a ser feita ao Navio da República Portuguesa (NRP) 'Mondego', na sequência de mais uma avaria, para se poder pronunciar sobre o assunto.

Ministra da Defesa aguarda análise técnica ao Mondego para se pronunciar
Notícias ao Minuto

14:24 - 28/03/23 por Lusa

País Navio Mondego

"Houve, de facto, uma questão técnica que está, neste momento, a ser avaliada. Há uma equipa técnica da Marinha que está a fazer a avaliação e vamos aguardar por essa avaliação para nos podermos pronunciar", disse Helena Carreiras, em declarações à agência Lusa, à margem da cerimónia de entrega do Prémio Defesa Nacional e Igualdade.

O navio da Marinha portuguesa 'Mondego', recentemente envolvido numa polémica por 13 militares terem recusado cumprir uma missão, teve hoje de abortar uma tarefa de rendição dos agentes da Polícia Marítima e de elementos do Instituto das Florestas e Conservação da Natureza nas Ilhas Selvagens, na Madeira, por motivos de "ordem técnica".

Questionada pela Lusa sobre a atual situação dos navios da Marinha, com informações recentes na comunicação social a dar conta de avarias e inoperacionalidades que poderão indicar um colapso, a ministra reconheceu a necessidade de maior aposta na manutenção, mas negou qualquer colapso.

"Não estão a entrar em colapso e a prova disso é que as missões da Marinha estão a ser cumpridas e com enorme sucesso", disse, apontando as missões a nível nacional em operações de vigilância, fiscalização e busca e salvamento, e no plano internacional nas missões no quadro da União Europeia e da NATO.

Helena Carreiras adiantou que a aposta na manutenção dos meios militares é uma prioridade do Governo, destacando que a lei de programação militar, que já deu entrada na Assembleia da República, inclui uma duplicação das verbas atualmente existentes para essa área.

"Estamos a trabalhar ativamente para que as verbas sejam bem utilizadas em prol da modernização e sustentação dos nossos meios. É portanto essa ação que esta a ser tomada e é essa competência que tenho de cuidar para que os nossos meios militares possam ser postos ao serviço das variadas missões das forças armadas em toda a segurança", frisou.

Segundo um comunicado do Comando da Marinha da Zona Marítima da Madeira, o navio 'Mondego' "será objeto, ainda hoje, de uma inspeção técnica por parte de peritos da Direção de Navios, que se deslocarão à ilha da Madeira".

Também à margem da cerimónia de entrega do prémio Defesa Nacional e Igualdade, a agência Lusa tentou questionar o Chefe de Estado-Maior da Armada sobre a situação do NRP 'Mondego', mas Gouveia e Melo recusou-se a prestar declarações.

No passado dia 11 de março, o NRP 'Mondego' falhou uma missão de acompanhamento de um navio russo a norte da ilha de Porto Santo, no arquipélago da Madeira, após 13 militares se terem recusado a embarcar, alegando razões de segurança.

A Marinha participou o sucedido à Polícia Judiciária Militar (PJM), em Lisboa, no âmbito de inquérito criminal, tendo também instaurado processos disciplinares.

Segundo a defesa dos militares, o Ministério Público suspendeu a audição dos militares que estava agendada para analisar o processo com mais detalhe.

Em causa estarão infrações ao código da Justiça Militar por "insubordinação por desobediência" e "insubordinação por prisão ilegal ou rigor ilegítimo".

Entre as várias limitações técnicas invocadas pelos militares para se recusarem a embarcar constava o facto de um motor e um gerador de energia elétrica estarem inoperacionais, entre outras alegadas deficiências do navio.

A Ministra da Defesa Nacional presidiu hoje à cerimónia de entrega do Prémio Defesa Nacional e Igualdade, na Base Naval de Lisboa, em Almada, atribuído em 2022 ao projeto da Marinha intitulado "Navios Igualitários -- A consolidação da igualdade de género nas Unidades Navais".

Foram ainda atribuídas menções honrosas às candidaturas classificadas no segundo e terceiro lugares, "Igualdade de género na Política da Defesa Nacional", apresentada pela Direção-Geral de Política de Defesa Nacional, e "Recursos, Defesa e Sociedade -- uma DGRDN a pensar nas pessoas", apresentada pela Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional.

O prémio, criado em 2019 no quadro do Plano Setorial da Defesa Nacional para a Igualdade, tem por objetivo reconhecer publicamente as entidades da Defesa Nacional que se evidenciem pela promoção da igualdade entre mulheres e homens no trabalho e na sociedade, na formação profissional e na conciliação da vida profissional, pessoal e familiar, e pela adoção de princípios e medidas eficazes e positivas na prevenção e combate à discriminação.

[Notícia atualizada às 16h23]

Leia Também: Navio Mondego será alvo de "inspeção técnica ainda hoje", diz Marinha

Recomendados para si

;
Campo obrigatório