Meteorologia

  • 18 JULHO 2024
Tempo
32º
MIN 17º MÁX 33º

Bispo de Viseu já sabia quem eram os 5 sacerdotes indicados pela Comissão

O bispo de Viseu, António Luciano Costa, admitiu hoje que já tinha conhecimento dos nomes dos cinco sacerdotes da diocese indicados pela Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais na Igreja Católica.

Bispo de Viseu já sabia quem eram os 5 sacerdotes indicados pela Comissão
Notícias ao Minuto

19:09 - 09/03/23 por Lusa

País Abusos na Igreja

"Todos estes já eram do meu conhecimento e já tinham sido tratados segundo as normas aplicáveis, quer a nível canónico, quer a nível civil, tendo também sido entregues ao Ministério Público", referiu o bispo, em comunicado.

António Luciano Costa manifestou a sua "comunhão na dor com todas as vítimas de abusos cometidos por membros da Igreja Católica" e comprometeu-se "a continuar a acompanhar e a dar as melhores respostas".

"Em nome de toda a diocese, renovo o pedido de perdão a todas as vítimas de qualquer abuso na Igreja e expresso o compromisso de todo o cuidado e apoio às mesmas, empenhando-me no acompanhamento e prevenção, continuando a 'dar voz ao silêncio'", sublinhou.

O bispo explicou que decidiu dar agora conta da situação verificada na Diocese de Viseu por a Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais na Igreja Católica ter completado e entregado o seu trabalho à Conferência Episcopal Portuguesa.

Em fevereiro de 2020, tinha sido criada a Comissão Diocesana de Proteção de Menores e Adultos Vulneráveis, constituída por um juíz, um advogado, uma pediatra, uma pedopsiquiatra, uma psicóloga clínica, um professor de Escola Superior de Saúde e uma técnica de Serviço Social.

"Também no decreto de constituição constava um sacerdote canonista, que, por prudência, pediu a sua não participação nos trabalhos da comissão, o que foi julgado muito oportuno e foi aceite por todos", explicou o bispo.

A Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais na Igreja Católica validou 512 testemunhos, apontando, por extrapolação, para pelo menos 4.815 vítimas. Vinte e cinco casos foram enviados ao Ministério Público, que abriu 15 inquéritos, dos quais nove foram arquivados.

Os testemunhos referem-se a casos ocorridos entre 1950 e 2022, o espaço temporal abrangido pelo trabalho da comissão.

No relatório, divulgado em fevereiro, a comissão alertou que os dados recolhidos nos arquivos eclesiásticos sobre a incidência dos abusos sexuais "devem ser entendidos como a 'ponta do iceberg'" deste fenómeno.

A comissão entregou aos bispos diocesanos listas de alegados abusadores, alguns ainda no ativo.

Na quarta-feira, a diocese de Angra, nos Açores, e a arquidiocese de Évora, anunciaram a suspensão cautelar de três sacerdotes, enquanto decorrem investigações sobre alegados casos de abuso por eles praticados.

Leia Também: Bispo de Portalegre indica dois alegados casos de abuso. Padres faleceram

Recomendados para si

;
Campo obrigatório