Meteorologia

  • 24 FEVEREIRO 2024
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 15º

Maioria absoluta? "Governo da trapalhada" que desvaloriza parlamento

O líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, classificou o executivo de António Costa como o "governo da trapalhada", que está a "frustrar todas as promessas" que fez há cerca de um ano, acusando-o de desvalorizar o parlamento.

Maioria absoluta? "Governo da trapalhada" que desvaloriza parlamento
Notícias ao Minuto

07:15 - 28/01/23 por Lusa

Política Maioria Absoluta

"Este governo é incapaz de se focar e de dar estabilidade à governação: é um conjunto de casos que se sucedem em catadupa, numa enorme trapalhada que marca este ano de governação, e por isso é um governo da trapalhada", defendeu Pedro Filipe Soares, em entrevista à agência Lusa, a propósito do primeiro ano desde as eleições legislativas antecipadas de 30 de janeiro de 2022, que deram a maioria absoluta ao PS.

O dirigente bloquista afirmou que este é o executivo da "trapalhada na vida das pessoas, que empobrece quem trabalha" e "da trapalhada no país" por não colocar "em ordem" serviços públicos, como a saúde ou a educação.

"Da trapalhada no próprio Conselho de Ministros, que parece que não consegue separar os negócios da política e é exatamente isso que precisávamos que tivesse mudado neste ano de governação", defendeu.

Interrogado sobre se o PS tem agido como uma maioria de diálogo, promessa feita pelo primeiro-ministro no início da legislatura, Pedro Filipe Soares criticou os chumbos dos socialistas a vários requerimentos para chamar governantes à Assembleia da República.

O líder parlamentar disse que este é um Governo que "perde a memória porque, quando perguntado por algumas coisas, há ministros que dizem que não se lembram, que não aconteceu, e depois fora do parlamento vêm dizer que afinal se lembraram, que encontraram, que afinal havia algum gato com o rabo de fora".

"Ora, na prática, quem tem esta forma de dialogar com o parlamento não está a dialogar, está a esconder, está a ignorar, está a desvalorizar a casa da democracia e eu creio que essa crítica encaixa que nem uma luva neste ano do PS", acusou.

Os bloquistas defendem que o executivo de António Costa não quis responder "ao enorme empobrecimento que está a existir na sociedade" e demonstra, acima de tudo, "uma incapacidade para conseguir dar uma orientação ao país".

"É um primeiro ano de uma maioria absoluta do PS que prometia estabilidade e trouxe instabilidade, prometia serenidade da governação e trouxe trapalhada, prometia respostas aos serviços públicos e trouxe pior qualidade dos serviços públicos, prometia mais rendimentos e trouxe empobrecimento. É uma maioria absoluta que no primeiro ano da sua implementação está a frustrar todas as promessas que trouxe ao país", rematou.

Em 30 de janeiro de 2022 o PS venceu as eleições legislativas antecipadas com maioria absoluta e elegeu 120 deputados, tendo o PSD ficado em segundo lugar, com 77 parlamentares. O Chega conseguiu a terceira maior bancada, com 12 deputados, seguindo-se a Iniciativa Liberal, com oito, o PCP, com seis, o BE, com cinco, o PAN, com um, e o Livre, também com um.

Devido à repetição de eleições no círculo da Europa, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apenas deu posse ao XXIII Governo Constitucional, o terceiro chefiado por António Costa, em 30 de março de 2022.

Leia Também: PCP. Polémicas refletem "subordinação" do poder político ao económico

Recomendados para si

;
Campo obrigatório