Meteorologia

  • 23 JULHO 2024
Tempo
26º
MIN 23º MÁX 38º

Sindicatos de professores convocados para ronda negocial nos dias 18 e 20

Nota enviada às redações dá conta de que a convocatória abrange as 12 organizações sindicais de professores. Encontro está marcado para os próximos dias 18 e 20 de janeiro.

Sindicatos de professores convocados para ronda negocial nos dias 18 e 20
Notícias ao Minuto

18:52 - 09/01/23 por Ema Gil Pires

País Educação

O Ministério da Educação convocou, esta segunda-feira, as organizações sindicais de professores para uma nova ronda negocial, a 18 e 20 de janeiro, com o objetivo de discutir o "novo modelo de recrutamento de professores".

"As 12 organizações sindicais de professores foram hoje convocadas para a terceira ronda das negociações no âmbito da discussão do novo modelo de recrutamento de professores", pode ler-se numa nota enviada às redações.

De acordo com a informação a que o Notícias ao Minuto teve acesso, esses encontros vão ocorrer nos próximos dias 18 e 20 de janeiro, no "seguimento do calendário acordado em novembro entre os sindicatos e o Ministério da Educação".

Nesse momento, será também "analisada uma proposta de calendário negocial sobre outras matérias", esclarece o Ministério da Educação.

O anúncio agora feito pela tutela surge numa altura em que decorre já, desde 9 de dezembro, uma paralisação de professores por tempo indeterminado, que foi convocada pelo Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (STOP). A organização sindical entregou já pré-avisos de greve para todo este mês.

O exemplo foi seguido pelo Sindicato Independente dos Professores e Educadores (SIPE), que convocou para a semana passada (a primeira do segundo período) uma greve parcial ao primeiro tempo letivo. A mesma foi, entretanto, já prolongada até fevereiro.

Por sua vez, vai também realizar uma greve por distritos, entre 16 de janeiro e 8 de fevereiro, desta feita convocada por oito estruturas sindicais, entre as quais se destacam o SIPE e a Federação Nacional dos Professores (Fenprof).

Em causa estão paralisações que, de acordo com a informação avançada anteriormente pelo SIPE, surgem com o intuito de mostrar o desagrado dos professores contra algumas propostas do Governo para a revisão do regime de recrutamento e colocação dos docentes - bem como contra outros temas que têm já vindo a ser amplamente discutidos pela opinião pública ao longo dos últimos anos, como é o caso das condições gerais de trabalho dos professores e da recuperação integral do tempo de serviço.

O anúncio agora feito pelo Ministério da Educação, que concerne uma nova ronda das negociações com os sindicatos dos professores, surge depois de outros dois encontros negociais, nos quais os docentes e a tutela não foram capazes de atingir um acordo definitivo, capaz de colocar fim às paralisações no ensino.

[Notícia atualizada às 19h17]

Leia Também: Para as escolas não ficarem como os hospitais é preciso "lutar agora"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório