Meteorologia

  • 22 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 21º

Perda de poder de compra? "Governo ao lado dos super ricos", diz BE

Um cabaz de Natal custa mais 38 euros do que o início do ano.

Perda de poder de compra? "Governo ao lado dos super ricos", diz BE
Notícias ao Minuto

11:38 - 23/12/22 por Notícias ao Minuto

Política cabaz alimentar

O líder parlamentar do Bloco de Esquerda (BE) comentou, esta sexta-feira, a notícia de que um cabaz de Natal encareceu desde o início do ano 23,5%, de acordo com dados revelados pela DECO Proteste.

"Ano de super lucros à custo do empobrecimento geral de quem trabalha", escreveu Pedro Filipe Soares numa publicação partilhada no Twitter.

"A perda de poder de compra não é uma inevitabilidade, é a escolha de um governo que se coloca ao lado dos super ricos", continuou o deputado.

O bloquista considerou ainda que o próximo será de "muitas lutas" por forma a vencer "injustiças" - como a diminuição do poder de compra.

Tal como a Associação portuguesa para a Defesa do Consumidor explicou, na semana passada, a 5 de janeiro deste ano, os consumidores pagavam 38,03 euros pelos mesmos produtos, ou seja, menos 8,93 euros do que se paga a 14 de dezembro.  

Para além da subida da inflação e do consequente aumento dos preços dos bens alimentares, o tema voltou esta semana para cima da mesa, depois de a ASAE ter revelado à CNN que instaurou nos últimos meses 26 processos-crime pela prática de especulação de preços em bens alimentares como massas, cereais, leite, ovos, carne e atum em supermercados - que colocavam preços nas prateleiras diferentes do que aqueles que registavam na caixa. A prática já foi criticada por muitos, inclusive pelo ex-ministro das Finanças Teixeira dos Santos, que diz que as autoridades devem também divulgar os nomes das superfícies que cometem estas ações.

Também a guerra na Ucrânia é um fator de análise para a a DECO Proteste, uma vez que, de acordo com os dados mais recentes um cabaz de alimentos essenciais custa agora 218,94 euros, tendo cerca de 35 euros desde que a invasão das tropas russas começou, a 24 de fevereiro.

Leia Também: Preços alterados nos hiper? Ex-ministro defende que se divulguem nomes 

Recomendados para si

;
Campo obrigatório