Meteorologia

  • 06 FEVEREIRO 2023
Tempo
MIN 6º MÁX 18º

Morreu Maximino Serra, resistente antifascista que entrou no PS em 1973

Maximino Serra, antigo militante e funcionário político do PS, que participou em duas falhadas tentativas para depor o regime do Estado Novo de Oliveira Salazar, morreu hoje, aos 87 anos, disse à agência Lusa fonte socialista.

Morreu Maximino Serra, resistente antifascista que entrou no PS em 1973
Notícias ao Minuto

00:03 - 09/12/22 por Lusa

País Maximino Serra

De acordo com fonte do PS, o funeral de Maximino Serra, militante do PS desde 1973, será em São Martinho do Porto, concelho de Alcobaça, embora a data ainda não esteja fixada.

Maximino Serra participou na Revolta da Sé e no Golpe de Beja contra o regime de Oliveira Salazar, esteve exilado ao abrigo das Nações Unidas e entrou para o PS antes do 25 de Abril de 1974, partido em que foi funcionário político.

Nas eleições autárquicas de 2021, este histórico socialista entrou como último suplente na lista concorrente à Câmara de Alcobaça pelo movimento Nós Cidadãos, opção que motivou a sua expulsão do PS.

Em declarações ao jornal Público, em maio deste ano, Maximino Serra afirmou ser "alérgico a imposições" e considerou que o que lhe fizeram representou "uma traição", pelo modo como "foi feito".

Mostrou-se então "muito admirado por o atual secretário-geral, António Costa, ter admitido" a sua expulsão e acrescentou: "Penso até que ele não se apercebeu do que me fizeram."

Maximino Serra foi funcionário político do PS desde a instalação do partidos em Portugal, teve responsabilidades em Setúbal, em Santarém e depois em Leiria.

Também em declarações ao jornal Público, em maio, disse ser "o único antifascista vivo a militar no PS", assinalando que "era amigo de Edmundo Pedro e de Palma Inácio".

Antes da sua entrada no PS, Maximino Serra, irmão de Manuel Serra, integrou o Movimento Socialista Popular (MSP).

Após a fundação do PS, em 19 de Abril de 1973, Manuel Serra fez um acordo com Mário Soares e o MSP entrou no PS em janeiro de 1974.

Depois de perder para Mário Soares a liderança partido no I Congresso do PS, em dezembro de 1974, o seu irmão, Manuel Serra, abandonou o PS.

"Foi uma precipitação do Manuel ter-se candidatado a secretário-geral naquela altura", afirmou Maximino Serra ao jornal Público, quase cinquenta anos depois. Maximino Serra, pelo contrário, decidiu ficar no partido e continuar a ser funcionário político.

Resistente antifascista, começou a sua atividade política ligado ao professor Ruy Luís Gomes e em 1958 esteve envolvido na candidatura presidencial de Humberto Delgado.

Após o fracasso do Golpe de Beja, Maximino Serra refugiou-se na embaixada do Brasil em abril de 1962, onde em 1959 se tinha refugiado Humberto Delgado.

Depois, desviou um avião de um aeroclube e voou para Marrocos, em agosto de 1963, para tentar juntar-se à Frente Patriótica de Libertação Nacional (FPLN), em Argel.

Não conseguiu entrar na Argélia e, em finais de 1964, partiu de Marrocos, a seguir para o Canadá e, mais tarde, para os Estados Unidos, ao abrigo de um programa de proteção para exilados políticos das Nações Unidas.

Leia Também: Morreu Fernando Pádua. Marcelo elogia "brilhante cardiologista"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório