Meteorologia

  • 28 JANEIRO 2023
Tempo
MIN 4º MÁX 11º

'Tempestade Perfeita'. Ministro diz que justiça "está a funcionar"

Gomes Cravinho, que foi ministro da Defesa Nacional, escusou-se de comentar as detenções feitas no ministério da Defesa.

'Tempestade Perfeita'. Ministro diz que justiça "está a funcionar"
Notícias ao Minuto

18:52 - 07/12/22 por Notícias ao Minuto

País 'Tempestade Perfeita'

O ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, optou por não comentar a operação 'Tempestade Perfeita' que, na quarta-feira, levou à detenção de cinco pessoas, três das quais altos quadros do Ministério da Defesa.

Aos jornalistas, após ter marcado presença no encerramento das comemorações da circum-navegação de Fernão de Magalhães, em Lisboa, Gomes Cravinho admitiu acompanhou a investigação da Polícia Judiciária (PJ) quando ainda era ministro de Defesa, no governo anterior.

Segundo o ministro, foi "nessas funções, e de acordo com a informação que tinha em casa momento", que enviou "o material para a Inspeção-Geral de Defesa Nacional, para o Tribunal de Contas e para a Procuradoria-Geral da República".

"Aquilo que se está a passar agora é simplesmente a justiça a fazer o seu trabalho. Este é um momento de trabalho da justiça, não é o momento de comentários políticos. Aquilo que apenas desejo é que se esclareça tudo aquilo que há a esclarecer e que a justiça possa fazer o seu trabalho de forma cabal", salientou Gomes Cravinho.

Na base da operação 'Tempestade Perfeita' estão suspeitas de crimes de corrupção ativa e passiva, peculato, abuso de poder e branqueamento, entre outros crimes que terão lesado o Estado em milhares de euros. O principal visado é o ex-diretor-geral de Recursos da Defesa Nacional (DGRDN) Alberto Coelho, que chegou a ser elogiado por Gomes Cravinho na Assembleia da República.

Foram também detidos o diretor de Serviços de Infraestruturas e Património, Francisco Marques, o  ex-diretor da Gestão Financeira do Ministério da Defesa Nacional, Paulo Branco, e mais três empresários.

Alberto Coelho foi diretor da DGRDN entre 2015 e 2021, e já foi multado pelo Tribunal de Contas por seis infrações financeiras e por ser considerado responsável pela derrapagem nos custos de requalificação do Hospital Militar de Belém. Apesar do orçamento inicial de 750 mil euros para transformar o hospital num centro de apoio à Covid-19, o preço total da obra ascendeu aos 3,2 milhões de euros.

Perante a insistência dos jornalistas, João Gomes Cravinho reafirmou que "num Estado de Direito como felizmente somos, é importante as instituições funcionarem cada uma no momento certo, e este é o momento de funcionamento da justiça".

Após serem divulgadas as notícias sobre a operação policial, o Chega pediu rapidamente a demissão do ministro, argumentando que o governante deixou de ter condições para continuar no cargo.

Leia Também: 'Tempestade Perfeita'. Dos 5 detidos, 3 são altos quadros da Defesa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório