Meteorologia

  • 04 FEVEREIRO 2023
Tempo
MIN 7º MÁX 18º

Vencer o Prémio Camões é reconhecimento do "longo trabalho em literatura"

Silviano Santiago, de 86 anos, anunciado hoje o vencedor do Prémio Camões 2022 afirmou que este é um reconhecimento do seu "longo trabalho em literatura".

Vencer o Prémio Camões é reconhecimento do "longo trabalho em literatura"
Notícias ao Minuto

22:26 - 24/10/22 por Lusa

Cultura Prémio Camões

Para o brasileiro, em declarações ao Estadão, jornal onde chegou a colaborar como colunista, este "prémio chega num momento difícil para o mundo e para o Brasil".

"Não deixa de ser, para mim, em particular, um momento de alegria - um reconhecimento do meu longo trabalho em literatura", acrescentou.

Nascido em 1936, em Formiga, Minas Gerais, Brasil, Silviano Santiago mudou-se com dez anos para Belo Horizonte e, aos 18 anos, começou a escrever para uma revista de cinema, além de ter ajudado a idealizar e publicar a revista Complemento.

Apesar de não ter qualquer obra publicada em Portugal, Silviano Santiago escreveu cerca de 30 livros, entre os quais se destacam romances como 'Em liberdade', 'Stella Manhattan', 'Machado' e 'Mil rosas roubadas'.

A escolha do escritor brasileiro Silviano Santiago como vencedor do Prémio Camões 2022 foi anunciou hoje o ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva.

No ano passado, o Prémio Camões foi atribuído à escritora moçambicana Paulina Chiziane, autora de 'Balada de Amor ao Vento' e 'Ventos do Apocalipse'.

O Prémio Camões de literatura em língua portuguesa foi instituído por Portugal e pelo Brasil, com o objetivo de distinguir um autor "cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento do património literário e cultural da língua comum".

Segundo o texto do protocolo constituinte, assinado em Brasília, em 22 de junho de 1988, e publicado em novembro do mesmo ano, o prémio consagra anualmente "um autor de língua portuguesa que, pelo valor intrínseco da sua obra, tenha contribuído para o enriquecimento do património literário e cultural da língua comum".

Foi atribuído pela primeira vez, em 1989, ao escritor Miguel Torga.

Em 2019, o prémio distinguiu o músico e escritor brasileiro Chico Buarque, autor de 'Leite Derramado' e 'Budapeste', entre outras obras; em 2020, o professor e ensaísta português Vítor Aguiar e Silva (1939-2022).

O Brasil lidera a lista de distinguidos com o Prémio Camões, com 14 premiados cada, seguindo-se Portugal, com 13 laureados, Moçambique, com três, Cabo Verde, com dois, mais um autor angolano e outro luso-angolano.

A história do galardão conta apenas com uma recusa, exatamente a do luso-angolano Luandino Vieira, em 2006.

Leia Também: Marcelo saúda atribuição do Prémio Camões 2022 a Silviano Santiago

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório