Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2022
Tempo
18º
MIN 8º MÁX 19º

"À partida, não há perigo". DECO garante segurança da fruta de outono

A organização mostrou-se preocupada com um relatório sobre excesso de pesticidas na fruta europeia, mas aponta para os "controlos regulares" da União Europeia e defende uso responsável de produtos químicos nas culturas agrícolas.

"À partida, não há perigo". DECO garante segurança da fruta de outono
Notícias ao Minuto

09:15 - 30/09/22 por Notícias ao Minuto

País Frutas

A DECO Proteste, a organização de defesa do consumidor, procurou tranquilizar esta sexta-feira os consumidores, garantindo a segurança da fruta de outono depois da divulgação de um relatório europeu, no qual se alertava que a fruta do continente está "altamente contaminada" com pesticidas perigosos.

Na quarta-feira, a organização não-governamental 'Pesticides Action Network Europe' (PAN Europa) explicou que grande parte da fruta testada pela instituição contém pesticidas ligadas au aumento do risco de cancro e outros problemas graves de saúde, incluindo peras (49%), uvas de mesa (44%), maçãs (34%), ameixas (29%) e framboesas (25%).

Num comunicado no seu site, a DECO admite estar preocupada com o relatório, salientando que "deve haver um trabalho de sensibilização para a redução de pesticidas, em particular os indicados como mais preocupantes, em toda a fileira, desde a produção até à distribuição".

No entanto, a organização portuguesa vinca que os pesticidas "são sujeitos a ensaios toxicológicos" e são muito verificados pela União Europeia, pelo que, em princípio, o consumo de fruta é seguro.

"Os pesticidas são produtos químicos que podem ser prejudiciais à saúde. Contudo, se em causa estiverem produtos homologados para utilização na UE e dentro do limite máximo de resíduos, à partida, não há perigo para o consumidor", explica.

A DECO acrescenta que ela própria fez um estudo, em 2021, para perceber se a fruta portuguesa cumpre os limites legais dos pesticidas, tendo concluído que "os resultados mostraram que quase todos [os produtores] estavam em cumprimento dos limites máximos de resíduos definidos na União Europeia: 38 dos 40 produtos analisados não acusaram desvios".

A organização de defesa do consumidor refere ainda que admite o uso de pesticidas para "reduzir a perda de rendimento das culturas agrícolas e combater pragas e doenças", além de melhorarem ou protegerem "o rendimento das culturas e, se forem utilizados de forma responsável, garantem ainda o abastecimento de fruta e legumes com boa qualidade e aspeto, a um preço reduzido, para que sejam acessíveis a todos os consumidores".

"No entanto, por serem produtos químicos, são potencialmente perigosos para a saúde e para o meio ambiente e não são totalmente inofensivos. A sua utilização deve, por isso, respeitar determinadas quantidades e condições", apela a DECO.

Leia Também: Fruta de outono (portuguesa incluída) "contaminada" com pesticidas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório