Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2022
Tempo
MIN 8º MÁX 12º

Centro de Cibersegurança confirma ataques à rede do EMGFA e MP investiga

O Centro Nacional de Cibersegurança (CNC) confirmou hoje "indícios de ataques informáticos à rede administrativa do Estado Maior General das Forças Armadas (EMGFA)" e o Ministério Público (MP) está a investigar o cibercrime.

Centro de Cibersegurança confirma ataques à rede do EMGFA e MP investiga

"Tendo sido identificados indícios de ataques informáticos à rede administrativa do EMGFA, no passado dia 27 de setembro, foram de imediato tomadas as medidas necessárias para assegurar o reforço da integridade e resiliência da mesma e informadas as autoridades competentes para a investigação destes incidentes", respondeu hoje o CNC após questionado pela agência Lusa.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) também confirmou à Lusa que "os factos participados pelo Ministério da Defesa Nacional se encontram em investigação" ao abrigo de um inquérito que decorre no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP)".

O jornal Diário de Notícias (DN) avançou hoje com a informação de um novo ataque informático "grave" à rede do EMGFA, "existindo a possibilidade de extradição de documentos e relatórios".

Por seu lado, o Notícias ao Minuto escreveu que a informação veiculada pelo DN foi confirmada àquele jornal 'online' pelo Ministério da Defesa Nacional, tendo o Governo afirmado que "reportou ao Ministério Público a ocorrência de um ataque informático à rede do EMGFA".

Este é o segundo ataque registado em menos de um mês (o anterior foi em 08 de setembro) a ser noticiado pelo DN, que na altura escreveu ter sido "um ciberataque prolongado e sem precedentes contra o EMGFA, no qual documentos da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte, NATO na sigla em inglês) foram extraídos e publicados na 'darkweb'.

O DN noticiou então que o ciberataque causou preocupação junto dos serviços de inteligência dos Estados Unidos e, na altura, salientando que foram os norte-americanos que detetaram a informação, os quais notificaram em agosto o primeiro-ministro através da embaixada em Lisboa, e que encontraram centenas de documentos da NATO à venda na 'darkweb'.

Fonte judiciária disse hoje à agência Lusa que a Polícia Judiciária "já está há algum tempo a investigar" os ataques informáticos aos serviços do Ministério da Defesa, bem como a outros organismos oficiais e estruturas privadas.

A pedido do PSD, a ministra da Defesa Nacional, Helena Carreiras, vai ao parlamento no próximo dia 11 de outubro para responder às perguntas dos deputados, à porta fechada, sobre os ciberataques e sobre a segurança informática das forças armadas portuguesas.

Leia Também: Vítima de ciberataque? Este site diz-lhe se foi afetado

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório