Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2022
Tempo
MIN 7º MÁX 14º

MAI pede trabalho em parceria para reforço do sistema de proteção civil

O ministro da Administração Interna pediu hoje, durante uma reunião com associações de bombeiros profissionais e voluntários, para que todos os agentes trabalhem "de forma próxima e em parceria para o robustecimento do sistema nacional de proteção civil".

MAI pede trabalho em parceria para reforço do sistema de proteção civil

Num comunicado enviado à Lusa após uma reunião de José Luís Carneiro com os representantes da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP) e da Associação Portuguesa dos Bombeiros Voluntários (APBV), o Ministério da Administração Interna (MAI) refere que o ministro elogiou "o trabalho fundamental dos bombeiros na prevenção e na proteção das pessoas, dos bens e da natureza no quadro do sistema português de proteção civil".

O MAI refere que José Luís Carneiro salientou aos representantes das associações que "o esforço financeiro que o Estado Português faz no apoio aos bombeiros, com recursos dos contribuintes, é considerável e tem aumentado de ano para ano".

"Mas garantiu que o Governo dialogará sempre de forma serena, séria e transparente com as suas diferentes entidades representativas para que possa ser traçado um caminho de evolução e de reforço das condições humanas e materiais ao dispor dos bombeiros", indica a nota.

Na reunião, o ministro destacou várias medidas importantes adotadas para reforçar as condições dos bombeiros portugueses, como a aposta na constituição de Equipas de Intervenção Permanente nos bombeiros voluntários, "a maior dotação de sempre" no Orçamento do Estado deste ano e a inscrição de 12,6 milhões de euros, em sede do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), para o investimento em 81 veículos operacionais, "naquela que será a maior distribuição de veículos desde 1980".

O governante deu ainda conta do reforço de 107% no apoio financeiro do Estado para o Fundo Social do Bombeiro, que passou a contar com uma transferência do Orçamento do Estado de mais de 1,8 milhão de euros para tratar e cuidar dos bombeiros quando, por razões diversas, carecerem desse instrumento de apoio social.

De acordo com o MAI, no Fundo Social do Bombeiro insere-se a assistência médica/medicamentosa para todos os bombeiros portugueses, sendo um benefício gratuito.

Na reunião, as associações dos bombeiros voluntários e profissionais contestaram a gestão atual do fundo social do bombeiro, defendendo que deve deixar de ser gerido exclusivamente pela Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP).

O presidente da ANBP, Fernando Curto, disse à Lusa que o fundo de proteção social do bombeiro, gerido pela LBP e que contempla um conjunto de proteções sociais para os bombeiros e seus familiares, deve passar para a gestão de uma entidade pública, que neste caso deverá ser a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

"O fundo social do bombeiro deve ser gerido pela ANEPC. Não tem que ser a Liga dos Bombeiros a fazer a gestão de um fundo que movimenta milhões", frisou Fernando Curto.

Caso a ANEPC não queira fazer essa gestão, o responsável avançou que a Associação Nacional de Bombeiros Profissionais e a Associação Nacional de Bombeiros Voluntários "sentem-se no direito de estar representados" nesse fundo, juntamente com a LBP.

O direito a um subsídio de risco equiparado às outras forças de segurança, a revisão nas regras de aposentação e na reserva, atribuição de um código deontológico e de uma carteira profissional foram outras reivindicações apresentadas pelas associações ao ministro.

Leia Também: MAI vai ao parlamento explicar reorganização do policiamento e incêndios

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório