Meteorologia

  • 04 OUTUBRO 2022
Tempo
30º
MIN 15º MÁX 31º

Sindicato "não concorda nem discorda" com força excessiva no Bairro Alto

As imagens da detenção violenta de um homem negro no Bairro Alto, em Lisboa, estão a suscitar reações mistas à atuação dos agentes.

Sindicato "não concorda nem discorda" com força excessiva no Bairro Alto
Notícias ao Minuto

08:55 - 16/08/22 por Notícias ao Minuto

País Bairro Alto

O presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP), Paulo Santos, defendeu na segunda-feira que seja feita uma contextualização relativamente à violenta detenção de um indivíduo no Bairro Alto, em Lisboa, por dois agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP), no passado sábado.

Em entrevista à SIC Notícias, Paulo Santos começou por considerar que as imagens "demonstram o quão complexo é ser polícia, demonstram a exigência, a complexidade e o risco das intervenções policiais e, por outro lado, o escrutínio a que a atuação policial e os polícias estão sujeitos".

Apesar de se afastar da atuação em causa, considerando que "não concorda nem discorda" com os colegas nesta situação específica, o dirigente sindical vincou que a avaliação pública está a ser feito com "imagens a meio do contexto da intervenção" e disse que "é preciso conhecer o que deu origem a essa intervenção".

"Estamos com poucos dados para perceber o que é que aconteceu para aquele indivíduo não colaborar com os agentes de autoridade e estamos a ser uma vez mais escrutinados com parte da história e, obviamente, é demonstrativo e elucidativo que as intervenções policiais estão cada vez mais complexas, mais escrutinadas, mais arriscadas e mais sujeitas a este tipo de avaliações, por vezes, prematuras", salientou Paulo Santos.

No sábado, um vídeo tornou-se viral nas redes sociais, depois de dois agentes da PSP terem sido filmados a imobilizar um cidadão no Bairro Alto, em Lisboa, usando um bastão e pontapés enquanto o indivíduo se encontrava no chão. Nas imagens é também aparente que um dos agentes coloca o seu joelho no pescoço do suspeito - uma ação que, no decorrer da intervenção policial que levou à morte de George Floyd nos Estados Unidos, foi considerada pelas autoridades norte-americanas como uma técnica perigosa e foi proibida em muitos departamentos policiais.

Pode ver o vídeo em questão abaixo. Alertamos para a violência das imagens.

A PSP defendeu os dois agentes e, num comunicado citado pelo Notícias ao Minuto, contou que o indivíduo teve "uma atitude agressiva para com os polícias" depois de ter tido um "comportamento agressivo para com as pessoas que por ali passavam". A agressividade terá antecedido uma tentativa de fuga, e os agentes "recorreram ao uso da força, incluindo através de bastão policial e, já manietado, conduziram o suspeito à esquadra, onde foi identificado".

Entretanto, o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, determinou  à IGAI na segunda-feira a abertura de um inquérito "para apuramento dos factos relacionados com a ocorrência policial verificada no passado dia 13 de agosto, na Travessa da Boa Hora, em Lisboa".

Paulo Santos acrescentou, quando questionado sobre a atuação física dos agentes sobre o cidadão - que acaba deitado no chão enquanto é alvo de bastonadas -, que "o indivíduo, em termos policiais, não está numa posição defensiva, porque se fosse defensiva teria acatado com aquilo que os polícias teriam dito e na imagem, é audível no vídeo a ordem para se virar para o chão e essa ordem não foi cumprida". De facto, as imagens mostram os agentes a ameaçar o cidadão com um bastão, tendo partido para a detenção com uso da força pouco depois.

O presidente da ASPP discordou do presidente do Sindicato dos Profissionais da Polícia (SPP), Mário Andrade, que considerou ser um "desrespeito" a divulgação e escrutínio ao mero "cumprimento do dever" dos polícias. Paulo Santos disse que "discorda" com a declaração, dizendo que esse "não é o ponto de discussão nem de análise".

"O que temos de falar é o escrutínio a que estamos sujeitos, e eu quero dizer que este tipo de intervenções - e é verdade que muitas vezes as pessoas filmam as nossas intervenções - são apanhadas a meio, são criticados este tipo de atos. Não coloco em causa a sua legalidade, mas aquilo que circula sobre a ocorrência descura o início da ocorrência, o meio e apenas coloca a tónica na parte da intervenção", realçou o sindicalista.

Leia Também: MAI abre inquérito a atuação da PSP durante detenção no Bairro Alto

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório