Meteorologia

  • 09 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 31º

Tribunal determina paragem na aplicação de herbicida cancerígeno

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé deu razão à associação Arriba e determinou a paragem da aplicação de um herbicida associado a casos de cancro nos trabalhos de requalificação da Ribeira de Aljezur.

Tribunal determina paragem na aplicação de herbicida cancerígeno
Notícias ao Minuto

18:43 - 05/07/22 por Lusa

País Ribeira de Aljezur

"A justiça fez-se ouvir e serviu os cidadãos e o ambiente, abrindo portas para o diálogo, transparência e boa governança", afirma o presidente da Associação de Defesa da Costa Vicentina (Arriba), João Vilela, numa reação à decisão tomada pelo tribunal em 01 de julho.

Segundo a sentença, a que a agência Lusa teve acesso, o Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé deliberou "intimar o município de Aljezur para se abster de realizar [e continuar] os seguintes trabalhos previstos": a aplicação do herbicida sistémico proposto, contendo glifosato [tipo ?piton verde] com adjuvante do tipo Li 700, ou equivalente, e o "corte dos rebentos caulinares das canas [Arundo donax] através de meios mecânicos pesados, designadamente máquinas escavadoras".

A associação Arriba sublinha, em comunicado que, depois de alguns meses de julgamento, o tribunal reconheceu que o projeto em causa estava sujeito a um procedimento prévio de avaliação de incidências ambientais que nunca foi feito.

Por outro lado, quanto à utilização do herbicida em causa, "ficou fundada a implicação de um risco [ainda que incerto] comprometedor na conservação do sítio atendendo à relevância e dúvidas suscitadas pelos recentes estudos científicos e opinião pública", acrescenta.

A Arriba considera que o herbicida em causa "é composto por um químico associado a casos de cancro", tendo manifestado a sua oposição a que a aplicação fosse "repetida três vezes, ao longo de cinco quilómetros e até 10 metros de largura das margens da ribeira".

Na nota, os membros da Arriba questionavam "o porquê de permitir este tipo de experiência numa área de grande sensibilidade ecológica e de interesse para a conservação da natureza e, ainda para mais, sem avaliação dos riscos ambientais".

A Associação de Defesa da Costa Vicentina defende ainda que o método de corte das canas, considerada uma espécie invasora, "deverá ser limitado, não sendo permitida a utilização de maquinaria pesada para o efeito".

A Arriba recorda também que a utilização deste tipo de maquinaria em intervenções anteriores teve efeitos desastrosos que resultaram no corte indiscriminado de vegetação autóctone, o que causou prejuízo também para a fauna local.

"Todos queremos o melhor para os nossos rios, para o território e para o ambiente", diz João Vilela, citado na nota, acrescentando que as "ações de hoje garantem o futuro que deixaremos para as gerações vindouras".

Leia Também: Lucro da Bayer sobe 57,5% até março para 3.291 milhões de euros

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório